quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Governo alerta sobre chikungunya, doença inédita no País

Vírus é transmitido pelo Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue.

O Ministério da Saúde determinou o aumento das ações de vigilância e prevenção relativas a uma doença que nunca havia sido registrada no Brasil, a chikungunya. Três casos importados da infecção foram identificados no País entre agosto e outubro.
Os pacientes, um do Rio de Janeiro e dois de São Paulo, passam bem. Provocada por um vírus, a doença é transmitida pelo mesmo mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti, e também pelo mosquito Aedes albopictus contaminado.

A preocupação das autoridades é que, como há grande número de criadouros do Aedes aegypti, haja maior risco de a chikungunya se instalar no País. "Não há perspectivas de aumento da doença no momento. O que as pessoas precisam fazer é reforçar aquilo que já falamos há tempos: ações de combate ao mosquito transmissor", afirmou o coordenador do Programa de Prevenção e Controle da Dengue do Ministério da Saúde, Giovanini Coelho.

A chikungunya provoca, em um primeiro estágio, febre alta, mal estar e dores nas articulações. Os sintomas aparecem entre 3 a 7 dias depois de o paciente ser picado pelo mosquito transmissor da doença contaminado. Durante os primeiros cinco dias do aparecimento dos sintomas, se o paciente for picado pelo Aedes aegypti, ele transmite o vírus para o mosquito.

Parte dos doentes desenvolve a forma crônica da doença, caracterizada por forte dores nas articulações. Isso pode durar entre 6 meses a 1 ano. Menos de 1% dos pacientes morre. Giovanini afirma que a chikungunya já provocou vários surtos no mundo. O vírus circula principalmente na África e Sudoeste Asiático.

Os casos confirmados no Brasil já foram notificados para a Organização Mundial da Saúde (OMS). Dois homens (um de 41 anos, do Rio, e outro de 55 anos, de São Paulo) apresentaram os sintomas depois de uma viagem para a Indonésia. Uma mulher (com 25 anos, de São Paulo) esteve na Índia. De acordo com Giovanini, a mulher é a única que ainda apresenta dores nas articulações e está sendo medicada.

Fonte:IG

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Os símbolos natalinos

COROA DO ADVENTO:

É de ramos de pinheiro ou cipreste. Sendo verde é sinal de esperança e vida. Enfeitada com uma fita vermelha, que simbolizava o amor de Deus que nos envolve, e também a manifestação do nosso amor, que espera ansioso o nascimento do Filho de Deus.

Na coroa encontramos 4 velas, uma para cada domingo do advento. Começa-se no 1º domingo, acendendo apenas uma vela e, á medida que vão passando os domingos, vamos acendendo as velas, até chegar ao 4º domingo quando todas devem estar acesas: As velas acesas simbolizam a nossa fé, nossa alegria pelo Deus que vem.

PRESÉPIO:

Introduzido por São Francisco de Assis no século XII, consiste na apresentação em pintura ou escultura das pessoas, do local e do ambiente em que Jesus nasceu.

O presépio nos lembra o nascimento do menino-Deus. Ajuda-nos a refletir sobre o fato e nos anima a sermos gratos a Jesus que não hesitou em descer do céu e alojar-se numa simples manjedoura. Na comunhão está todo o sentido do Natal.

ÁRVORE DE NATAL:

Simboliza o reino de Deus:"Eu sou a árvore, e vós sois os ramos". Quado iluminada, a árvore lembra que Cristo é a luz do mundo. O pinheiro nos leva a pensar que sua resistência aos rigores do frio europeu é o simbolo da vida e da graça. O verde fala da esperança da vida eterna.

PÃO CELESTE:

Uma espécie de hóstia, feita de trigo, sem fermento, cuja cor e forma podem variar.Feita e abençoada especialmente para esse fim. É usado na hora da ceia, na Vigília do Natal. O pai da família quebra e reparte a hóstia entre os presentes. A seguir desejam a paz e boas festas mutuamente uns aos outros, condividindo a sua parte da hóstia com todos; enquanto isto, cada qual come a parte que recebe dos outros. Este rito tão simples relembra a festa bíblica da libertação. Exprime a unidade e solidariedade da família que se alimenta com o mesmo pão em meio a votos de felicidade.

CEIA:

É o simbolo do banquete eterno. É o momento em que a família se reúne.Mas a Ceia, a refeição do Natal, quer significar que a nossa verdadeira vida é Cristo, o Filho de Deus que estamos festejando. Na Ceia costuma se colocar no centro, uma vela acesa para simbolizar o Cristo que nos une em volta de si e que é a nossa luz. Falam da alegria que devemos ter durante toda a nossa vida porque temos um Salvador que diariamente nos ajuda a chegar ao céu. Queremos que a mensagem do nascimento de Jesus, para a libertação dos homens, se espalhe forte e penetrante por todos os ares.

ANJOS:

Mensageiros de Deus na história da salvação. São o sinal de que "os céus se abriram e Deus visitou seu povo". Simbolizam a comunicação com Deus.

ESTRELA:

Os magos vindos do Oriente á procura de Jesus, foram guiados por uma estrela até Belém. A estrela tem 4 pontas e uma cauda luminosa. As quatro pontas representam as 4 direções da terra: Norte, Sul, Leste, Oeste, de onde vem os homens para adorar a grande luz que é uma estrela de fé, de amor, de esperança para o seu irmão...

VELAS:

As velas simbolizam a presença de Cristo como luz do mundo. Ele próprio disse:"Eu sou a luz do mundo.Quem anda comigo não anda nas trevas". Cada Natal deve renovar a nossa fé em Jesus e nosso empenho de viver n'Ele, e como Ele, a luz do mundo.

ARRANJOS SECOS:

O que está seco é porque não tem vida.Portanto, sempre que estivermos longe de Jesus, estaremos secos, pois só Ele é a Vida e comunica vida. Jesus veio até nós para que tudo se desenvolva, tudo tenha vida.

BOLAS COLORIDAS:

As bolas coloridas, que adornam o pinheirinho querem significar os frutos daquela árvore viva que é Jesus.Representam os dons maravilhosos que o nascimento de Jesus nos trouxe. São as boas ações daqueles que vivem em Jesus, como Jesus.

BALAS E BOMBONS:

Simbolizam a doçura das palavras divinas, a doçura de participar de sua Igreja, vivendo sua Palavra: Jesus Cristo.

PRESENTES DE NATAL:

Figuram o presente máximo, o dom de Deus, que é seu Filho, e que nos foi dado como Irmão primogênito.

CARTÕES DE NATAL:

Os cartões de Natal devem ser enviados somente aos verdadeiros amigos, pois originam-se da necessidade que o ser humano tem de comunicar-se e compartilhar sua vida com as pessoas que ama. Desejar um "FELIZ NATAL" de todo o coração a uma pessoa que ofendemos durante o ano é a melhor reconciliação e vivência do Natal.



fonte: webartigos

domingo, 5 de dezembro de 2010

Jogo "Sou Fã de Criança" reúne craques do Brasileirão

A partida acontece no dia 10 de dezembro, no Pacaembu, às 21h, e terá ação social com marca recém lançada pelo GRAACC.

Jogadores de vários times brasileiros apoiarão a causa do 'Sou Fã de Criança', marca recém lançada pelo Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer - GRAACC, durante o Jogo Beneficente Sou Fã de Criança, que acontecerá no dia 10 de dezembro, às 21h, no estádio do Pacaembu em São Paulo.
O objetivo é chamar a atenção e divulgar a causa e arrecadar recursos para o tratamento de crianças e adolescentes com câncer.

Os ingressos, a partir de R$ 10,00, já estão a venda no site http://www.ingressofacil.com.br/IFA/BuscaResultado.aspx?evento=graac

sábado, 4 de dezembro de 2010

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

SÃO PAULO PROMOVE 1ª VIRADA INCLUSIVA

Show de rock com audiodescrição e Libras, exposições, oficinas culturais e
debates sobre direitos das pessoas com deficiência são os destaques da
programação, que acontece de 3 a 9 de dezembro.

Em 3 de dezembro é comemorado o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.
Para festejar a data, Prefeitura, Governo do Estado e entidades da sociedade
civil organizaram uma série de eventos de cultura e lazer: a Virada
Inclusiva.

A programação começa às 9h do próprio dia 3, no Memorial da América Latina,
onde acontecem oficinas de música, apresentações de dança, capoeira e mostra
de curtas-metragens durante todo o dia.

Também neste dia, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) promove das
8h30 às 17h30, o seminário “A Inclusão da Pessoa com Deficiência e
Mobilidade Reduzida na Educação para o Trânsito”.

Completam a grade do primeiro dia exposição de quadros no Parque Ibirapuera,
atividades paradesportivas no Parque Villa-Lobos, circuito de agilidade para
cães (vão livre do Masp), visitas monitoradas ao Centro de Operações do
Metrô (Paraíso), Jardim Zoológico, Biblioteca Louis Braille (Centro Cultural
São Paulo) e a entidades de assistência, como Lar Escola São Francisco e
Fundação Dorina Nowill.

Rock acessível

No dia 4, sob coordenação da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência
e Mobilidade Reduzida (SMPED), o Centro da cidade recebe a já tradicional
passeata do Movimento Superação, com saída às 12h da Praça da República e
destino ao Vale do Anhangabaú.

Também no Anhangabaú, das 12h às 19h, haverá show musical voltado ao público
jovem, com artistas com algum tipo de deficiência ao lado de nomes
consagrados, como a banda NXZERO, Baby Consuelo e Luiz Melodia.

O show terá área especial para o público com deficiência motora e visual,
contando ainda com recursos de audiodescrição e tradução simultânea para a
Língua Brasileira de Sinais (Libras) por meio de telões. Entidades e mesmo
pessoas físicas podem solicitar transporte gratuito adaptado junto ao
serviço Atende, da Prefeitura.

Reivindicações

A Virada Inclusiva prossegue às 10h do dia 9, no Centro Cultural São Paulo,
com a Sabatina, em que jovens com deficiência intelectual, ligados a
diferentes instituições da capital, apresentam reivindicações e fazem
perguntas ao secretário municipal da Pessoa com Deficiência.

A Virada Inclusiva é uma promoção conjunta da Secretaria Municipal da Pessoa
com Deficiência e Mobilidade Reduzida e da Secretaria de Estado dos Direitos
da Pessoa com Deficiência.

Veja programação completa no site
www.prefeitura.sp.gov.br/pessoacomdeficiencia .

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Dia Nacional de Combate ao Câncer terá atendimento gratuito

Dermatologistas esclarecerão dúvidas sobre o câncer de pele. Iniciativa ocorre neste sábado em todo o País.

Neste sábado (27/11), dia Nacional do Combate ao Câncer, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) promove, em todo o Brasil, a 11ª Campanha Contra o Câncer de Pele.
Para identificar o maior número possível de casos suspeitos de câncer de pele, tumor que mais afeta os brasileiros, serviços dermatológicos realizarão mutirões de atendimento à população, além de distribuir material informativo e ministrarem palestras sobre o tema.

No Estado de São Paulo, serão 36 postos focados em atendimentos, encaminhamentos e biópsias, em 23 cidades. Os atendidos cujos diagnósticos resultarem positivos serão imediatamente encaminhados para tratamento clínico ou cirúrgico, nos serviços credenciados da entidade, sem nenhum custo financeiro ou necessidade de nova consulta.

São Paulo

Na capital paulista, serão mais de 10 locais que prestarão atendimento, das 9h às 15h: Casa de Saúde Santa Marcelina, Hospital AC Camargo, Hospital Beneficência Portuguesa, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, Hospital do Câncer de São Paulo, Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo, Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo, Hospital Heliópolis, Hospital Infantil Darcy Vargas, Hospital Ipiranga, Hospital Israelita Albert Einstein - Unidade Paraisópolis, Hospital João Sampaio Góes, Hospital São Paulo e Santa Casa de Misericórdia. Ao todo, no país serão cerca de 170 postos.

No Estado de São Paulo, as cidades que terão atendimento durante o sábado (27) são: Barueri, Bauru, Botucatu, Campinas, Caraguatatuba, Dracena, Guarulhos, Ibiúna, Jaú, Jundiaí, Marília, Mogi das Cruzes, Olímpia, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Jose dos Campos, São José do Rio Preto, São Paulo, Sorocaba e Taubaté.

Todas as demais cidades e os endereços completos estão disponíveis no site da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) : www.sbd.org.br/campanha/cancer

Quem deve se consultar?

O dermatologista Luiz Roberto Terzian, coordenador da Campanha Contra o Câncer de Pele no Estado de São Paulo, alerta para possíveis manchas que podem ter origem cancerígena.

“É preciso estar atento a alguns sinais e sintomas: manchas ou pintas assimétricas, com bordas irregulares, várias cores ou maiores que 6 milímetros. Também é necessária atenção a lesões como espinhas, verrugas ou feridas que não cicatrizam ou sangram facilmente, normalmente indolores, que podem ser sinais de um câncer de pele. Ao observar uma ou mais dessas características é fundamental consultar um dermatologista”, orienta.

A confirmação da suspeita de câncer de pele acontece no ato do exame, e é indolor. “A detecção do câncer de pele não dói, pois é visual. Pode ser feito exame específico com o auxílio de um dermatoscópio, instrumento que funciona como uma lupa e permite identificar pigmentos e vasos característicos dos tumores de pele”, explica.

Dados de 2009

Cerca de 10% dos atendimentos realizados pela Campanha em 2009 resultaram em casos positivos da doença, que foram devidamente tratados. Estimativas do Instituto do Câncer (Inca) apontam que serão identificados no Brasil cerca de 119.780 novos casos de câncer de pele somente em 2010.

Prevenção para todos

Luiz Roberto Terzian, coordenador da Campanha Contra o Câncer de Pele no Estado de São Paulo, afirma que a radiação ultravioleta é a principal responsável pelo desenvolvimento do câncer de pele. Todas as pessoas, independentemente da sua tonalidade da pele, devem estar atentas e se proteger quando expostas ao sol.

“Para se prevenir dos efeitos nocivos da luz solar e não desenvolver um câncer de pele, a melhor alternativa é evitar exposição direta ao sol, principalmente entre 10h e 16h, sem a devida proteção. Transformar em hábito algumas medidas simples, como o uso de camisetas, chapéus, óculos escuros e aplicação de protetor solar, são a melhor forma de prevenção”, explica o médico.

Quanto ao protetor solar, é importante que ele tenha no mínimo FPS 30 para as pessoas de pele clara, e seja reaplicado a cada 2 horas quando da exposição constante aos raios solares. “Esse é o caso de vendedores ambulantes, officeboys, garis e praticantes de esportes a céu aberto, por exemplo. E com a chegada do verão e o aumento da freqüência da população nas praias, a atenção deve ser redobrada”, ressalta o especialista.

Serviço

11ª Campanha Contra o Câncer de Pele
Data: 27 de novembro de 2010
Horário: das 9h às 15h

Fonte:IG

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Dia Nacional do Doador de Sangue



No dia 25 de novembro é comemorado o Dia Nacional do Doador de Sangue. Criada em 1964, a data tem como meta valorizar a doação voluntária, um ato simples que salva muitas vidas. É uma data que visa estimular a ida de voluntários aos hemocentros para compartilhar a vida. O ato pode salvar muitas pessoas e o doador é peça fundamental para que várias vidas possam ser salvas.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

15 sinais de bulimia

Conheça comportamentos que podem indicar a presença da doença, predominante em mulheres jovens.

Comer em excesso e provocar vômitos para eliminar a culpa por ter comido é uma doença conhecida como bulimia. Caracterizado por um comportamento compulsivo e doentio em relação à comida, esse transtorno alimentar é mais comum em mulheres jovens, e pode até matar se não for identificado e tratado adequadamente.

A Associação Nacional de Distúrbios Alimentares (NEDA), dos Estados Unidos, elaborou uma cartilha com informações e orientações sobre a doença, e dicas úteis para quem tem ou convive com o problema. O Delas selecionou 15 sinais de alerta que podem ajudar a identificar a bulimia. Como em toda doença, a presença de indícios não significa que a pessoa tem o problema, o diagnóstico deve ser feito por um especialista. Se perceber algum dos comportamentos listados em alguém próximo de você, procure orientação sobre como ajudar conversando com um médico ou um psicólogo.

Preste atenção em:

1 – Comportamentos e atitudes que indicam preocupação excessiva com perder peso, fazer dieta ou controlar a quantidade de comida ingerida
2 – Desaparecimentos inexplicáveis de grandes quantidades de comida da despensa em períodos muito curtos de tempo
3 – Grandes quantidades de embalagens de alimentos vazias (elas podem ser um indicativo do consumo compulsivo de grandes quantias de comida)
4 – Visitas frequentes ao banheiro ao longo ou depois das refeições
5 – Dentes manchados ou amarelados e hálito de vômito constante
6 – Cartelas ou embalagens vazias de laxantes e diuréticos no lixo do banheiro ou da cozinha (são indícios de comportamento purgatório)
7 – Sensação clara de desconforto ao comer na frente de outras pessoas
8 – Rituais relacionados à comida ou à alimentação (comer apenas um alimento ou um grupo específico de alimentos, mastigar excessivamente a comida ou evitar que o alimento toque os lábios ao ser colocado na boca)
9 – Ingestão de porções muito pequenas de comida nas grandes refeições do dia (como o almoço) ou na pulada muito frequente de refeições
10 – Atitudes bizarras em relação à comida (sem motivo algum, roubar ou esconder alimentos em lugares estranhos da casa ou do quarto)
12 – Uso exagerado de enxaguatórios bucais, pastilhas e chicletes de menta (eles ajudam a mascarar o hálito de vômito)
13 – Uso constante de roupas folgadas, que escondam os contornos do corpo
14 – Dedicação incansável a regimes de exercícios intensos e rígidos demais, mantidos independentemente do clima, do cansaço ou de alguma doença ou lesão muscular
15 – Calos nas costas das mãos ou nas juntas dos dedos (são uma espécie de cicatriz da repetição frequente do ato de provocar o vômito colocando os dedos na garganta)

Onde encontrar informações e ajuda:

Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares (Ambulim)
Programa de Orientação e Assistência aos Transtornos Alimentares (Proata)
Grupo de Obesidade e Transtornos Alimentares (Gota)
Grupo de Apoio e Tratamento dos Distúrbios Alimentares (Gatda)
Grupo de Estudo e Assistência em Transtornos Alimentares (Geata)
Grupo de Estudos em Nutrição e Transtornos Alimentares (Genta)

Fonte:IG

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Slow food: o prazer de comer sem pressa e com qualidade

Comer com prazer, saborear os alimentos e resgatar uma alimentação saudável. Esses são os preceitos do movimento Slow Food, que em inglês significa comer sem pressa, e tem ganhado espaço e adeptos no Brasil.

"A filosofia da prática é a do alimento bom, limpo e justo. Bom porque deve ter qualidade no sabor; limpo, porque deve ser cultivado de maneira que não agrida o meio ambiente e respeite a saúde; além de ser justo com quem produz", explica Cenia Salles, líder do movimento em São Paulo e consultora de gastronomia.

O movimento teve início em 1986 na Itália com o objetivo de incentivar o consumo de alimentos frescos, de preferência orgânicos, livres de pesticidas e hormônios e ainda levar a vida em um ritmo mais calmo. A ideia faz oposição ao fast food, que significa comida rápida, e à padronização dos cardápios, onde o mesmo produto pode ser encontrado em vários países, ocasionando o desaparecimento da culinária regional.

Dentro do movimento existe a Arca do Gosto, um catálogo mundial que identifica e localiza produtos ameaçados de extinção. "No mundo, em média, são 850 alimentos que correm risco de desaparecer. No Brasil, esse número chega a 21 alimentos, entre eles, cambuci, pinhão e palmito juçara", disse Cenia.

Neide Rigo, nutricionista e membro do Slow Food de São Paulo, ressalta os benefícios que o uso de bons alimentos traz para o nosso corpo. "Um vegetal bom é aquele que é produzido em terra saudável e que tem suas pragas combatidas sem danos e sem agressão ao meio ambiente", afirma.

Na mesa

O movimento está presente em 150 países e vem ganhando força em restaurantes brasileiros. A responsável pelo Julia Gastronomia, Anayde Moretto Lima, conta que a alimentação mais saudável começou em casa. "Sempre procurei cozinhar buscando alimentos de boa qualidade. Procuro comprar em feiras de produtos orgânicos", diz.

No restaurante o cuidado não é diferente. "O nosso diferencial é oferecer um cardápio enxuto com produtos escolhidos a dedo. Temos peixes e frutos do mar fresco, carnes, aves, mas tudo de boa qualidade e de fornecedores de confiança. Além disso, muitas coisas produzimos no próprio restaurante, como massas e sorvetes", ressalta.

O restaurante Tordesilhas, localizado em São Paulo, também prioriza a qualidade e investiga a origem dos produtos. "Tentamos privilegiar os ingredientes que estão mais próximos, para evitar o desperdício de tempo, de combustível e o lixo que provoca", afirma Ivo Ribeiro, sócio do estabelecimento, que acrescenta que um dos diferenciais do restaurante é preparar pratos de diversas regiões do país.

Desafio

Os seguidores do movimento têm como principal desafio a conscientização das pessoas. Porém, acreditam que o hábito de começar a gostar de comer e de cozinhar são os primeiros passos para a melhora na qualidade da alimentação. "Aos poucos, as pessoas vão percebendo a importância de valorizar os alimentos, de escolher os melhores ingredientes, de preparar e consumir uma comida saudável e equilibrada", afirmou Ribeiro. E, por consequência, não comer com pressa.


Fonte:Terra

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Doença rara faz mulher de 60 anos ter pele de 40

Um distúrbio responsável pela produção de colágeno em excesso fez com que uma britânica de 61 anos tenha a pele de uma mulher de 40 anos.
Moradora de Colchester (leste da Inglaterra), Susan Johnson - cujo caso foi revelado pelo jornal "Daily Gazette" - sofre de uma rara doença chamada esclerodermia.
O distúrbio, que provoca um endurecimento anormal da pele, com perda de flexibilidade e mobilidade, ocorre quando o corpo produz colágeno (a proteína que nos faz parecer jovens) além da conta.




Muitas mulheres gastam milhares de reais em injeções de colágeno para melhorar o aspecto de sua pele e de seus lábios. A proteína também está presente em boa parte dos cremes antienvelhecimento.

Mas, embora o distúrbio deixe Johnson com pele firme no rosto, mãos, pescoço e pés, ele também causa fortes dores e o inchaço de suas juntas.
'Não tenho nenhuma pele solta nos meus braços, então carregar sacolas ou fazer compras é muito doloroso, e não tenho forças neles para me levantar da banheira', disse ela ao "Daily Gazette".
'Mesmo descascar uma batata pode ser difícil, já que os meus dedos são dobrados.'

Clima úmido ou frio

Segundo Johnson, suas dores se intensificam ainda mais quando o clima está úmido ou frio. Ela conta que descobriu a doença no último inverno, quando a temperatura caiu e seus dedos começaram a formigar, além de ficarem azulados e avermelhados.
Inicialmente, os médicos acharam que Johnson sofria do fenômeno de Raynaud, distúrbio que impede que o sangue alcance os dedos das mãos e dos pés com a mudança de temperatura.

Mas, após passar por exames num hospital em Londres, ela foi diagnosticada com esclerodermia.
Os sintomas do distúrbio que acomete Johnson são semelhantes ao do reumatismo, mas a esclerodermia pode também afetar órgãos internos.

No caso da britânica, porém, só a pele foi afetada.
'Tenho 61 e digo ao meu marido, Keith, que parece que ele está casado com uma mulher de 30 anos', diz ela.

Tratamento

Para tratar a doença, que afeta três vezes mais mulheres do que homens, Johnson recorre diariamente a esteroides, remédios para circulação sanguínea e imunossupressores.

Não há causas conhecidas para a esclerodermia, mas sabe-se que ela não é contagiosa nem hereditária e que costuma se manifestar entre os 25 e os 55 anos.
Por enquanto, ela não tem cura, apenas um tratamento que alivia os seus sintomas.


Fonte:G1

domingo, 7 de novembro de 2010

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Seminário de Radiologia

Gabinete do Vereador Ushitaro Kamia e o Enfermeiro e Professor Paulo Roncon , convidam V.Sra para participar do 1° Seminário de Radiologia .

Recepção 8:30

Aplicação do PET-CT- Anderson de Moraes FAMESP

Radiologia Industrial –Francisco Tomé Dutra – EPR/FIDI

Protocolos em Tomografia Computadorizada – Ricardo Simão – SENAC/FMU/São Camilo

A importância do Conhecimento Anatômico pelo profissional de diagnostico de Imagens – Mauricio Goulart – FMU

Novo Campo de Atuação na Área de Imagem /Clinical Applications Specialist - Ana Paula Prado Umeno – TeraRecon

Estudo Dinâmico do Quadril - José Renato F. Pellegrini - Santa Casa

A importância das Articulações na Imagem – Marcio Gonçalves FMU / Santa Casa

DATA 06/11/2010 AS 09:00 h
LOCAL – Viaduto Jacareí, 100 8° andar Bela Vista São Paulo Metro Anhangabaú

Contato Sr. Marcos Fone 33965043

Inscrições
www.coletivozonanorte.com.br
www.kamia.com.br

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Convite

Palestra Gratuita do GRUPASP
Dia:29/10/2010 às 14 hs.

Tema: Fibromialgia primaria e secundária a Artrite Reumatóide
Apresentada pela Dra. Ándrea Kayo (fisioterapeuta)
Local: Associação Cultural Mie Keinj
Avenida Lins de Vasconcelos, nº 3352
Ao lado do Metro Vila Mariana.
Inscrições Gratuita através dos telefones: 11 - 5574-5996 ou 5574-6438

Contamos com sua presença.
Haverá sorteios de brinde e um delicioso coquetel após a palestra.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Sete curiosidades sobre o iogurte

Aliado da flora intestinal, o derivado do leite também é um poderoso antídoto contra doenças cardíacas, artrite e câncer.

Ele aparece nas propagandas desafiando a todo e qualquer intestino preguiçoso. O poder laxativo do iogurte é conhecido, bastante testado e sempre evocado para estimular a venda do produto.

Embora o ponto forte desse derivado do leite seja estimular a flora intestinal, os benefícios e qualidades nutricionais do alimento não estão restritos a essa função. Conheça sete curiosidades sobre o iogurte a aprenda a usá-lo a favor do organismo.

O primeiro alimento

Quase uma unanimidade nas geladeiras modernas, o iogurte é um derivado do leite e herança dos antepassados. Segundo escreve David Grotto, no livro “101 alimentos que podem salvar sua vida” (Editora Larousse), o produto é possivelmente um dos mais antigos da história da humanidade.

No livro, o autor relata que a primeira fabricação pode ter sido na acidental, quando estava sendo guardado em urnas e sacos feitos com pele de cabra. Mais tarde, as civilizações reconheceram os benefícios do iogurte e falaram sobre os atributos de “purificação” e sua contribuição para a longevidade.

Foi só no século 20 que as culturas usadas na produção do iogurte foram isoladas por Elie Metchinikoff, do Instituto Pasteur, que recebeu o Premio Nobel pela descoberta.

Bactérias do bem

De acordo com o Food and Drug Administration (FDA), órgão americano que controla medicamentos e alimentos, para que um derivado do leite seja denominado de iogurte, deve ser fermentado por bactérias específicas, cientificamente chamadas Streptococuccus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus, que produzem um produto mais grosso e encorpado, e são os principais agentes no bom funcionamento do intestino.

Camila Leonel, nutricionista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica que o intestino humano é formado por bactérias boas e ruins. O iogurte contém uma cota de bactérias boas superior aos demais derivados do leite. É esse coeficiente elevado que estimula o funcionamento ideal do intestino.

Hálito fresco

Um estudo japonês descobriu que voluntários que consumiam 150 gramas diárias de iogurte sem açúcar e que continham as bactérias Streptococuccus thermophilus (as tais bactérias do bem) tiveram uma redução nas concentrações de uma bactéria que induz ao mau hálito, relata Grotto no livro.

Fonte de cálcio

A nutricionista da Unifesp também revela que assim como o leite, o iogurte é rico em cálcio, micronutrientes e proteínas, sendo um poderoso aliado no combate à osteoporose e à hipertensão.

“Hoje temos trabalhos na medicina que mostram o valor do cálcio no controle da hipertensão. Dentro do contexto de uma alimentação saudável, balanceada, esse componente, presente no iogurte, pode ser um ponto de apoio no controle da pressão.”

Tolerância zero

Camila também revela que o iogurte pode ser uma alternativa às pessoas que têm intolerância ao leite. Embora seja um derivado do leite, o produto contém um nível bastante reduzido de lactose, açúcar que não é digerido pelo organismo dos intolerantes à lactose, e o responsável por provocar diarréias e outras complicações.
Aliado da dieta

Para controlar a fome e favorecer a manutenção da dieta, o iogurte é uma ótima opção de lanche da tarde, no intervalo entre as refeições, defende nutricionista. Ela afirma ainda que o frozen iogurte, sorvete feito tendo como base o alimento, é uma boa alternativa para quem deseja um refresco somado à pitada doce no cardápio do dia. A dica, porém, exige cautela.

“É preciso cuidado com os complementos oferecidos nas sorveterias. De nada adianta investir no sorvete a base de iogurte se a escolha dos acompanhamentos for incorreta. Prefira frutas aos ingredientes mais calóricos.”

Prevenção no copinho

No livro “101 alimentos que podem salvar sua vida”, David Grotto não poupa elogios ao iogurte. O autor apresenta possíveis propriedades medicinais do alimento, com base em estudos feitos em laboratórios e testes de amostragem em humano, confira.

Artrite: ratos com artrite, alimentados com iogurte que continha a bactéria Lactobacillus bulgaricus, tinham apenas uma inflamação suave.

Doenças cardíacas: um estudo feito com 33 voluntárias que consumiram iogurte convencional durante quatro semanas mostrou que o produto provocou aumento das taxas de HDL, o colesterol bom.

Câncer de cólon: outro estudo com camundongos, nos quais foi induzido um carcinoma colorretal (células cancerígenas no intestino grosso), descobriu que, quando o iogurte era agregado à dieta, havia um aumento na atividade anticancerígena.


Fonte:IG

terça-feira, 19 de outubro de 2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

domingo, 10 de outubro de 2010

Centenários brasileiros contam como viver a vida depois dos 70

G1 ouviu histórias de quem já passou de um século de vida.



Dona Zezé, de 102 anos, faz terapia ocupacional

O Brasil tem pelo menos 17 mil pessoas com mais de cem anos – segundo os dados preliminares do Censo 2010 divulgados no final de setembro –, um número que deve aumentar segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Estatística). São pessoas que passaram a terceira idade com saúde e que agora chegam ao que médicos estão chamando de “quarta idade” – como dona “Zezé”, de 102 anos, que mora em Belo Horizonte.
Todos os dias dona Zezé (dona Maria José Bossi Scellner no RG, nascida em 17 de dezembro de 1907) acorda às 7h e se mantém cheia de atividades. Participa de sessões de terapia ocupacional, faz aulas de música e frequenta uma vez por semana um centro espírita. “Meu sobrinho me pega e me leva para eu ver a palestra. Levo uma garrafa com água. A reunião acaba às 22h e ele me traz de volta”, conta ela.
Dona Zezé é um exemplo típico de pessoa que não deixou se abater pela idade avançada. Viúva há 33 anos, ela só deixou de trabalhar, como costureira, quando a visão não mais permitiu, há apenas um ano. “Essa roupa que eu estou vestida, fui eu que fiz”, conta, orgulhosa. Vaidosa, além das roupas alinhadas, ela não fica sem batom e pinta o cabelo a cada dois meses.



Dona Antonia, em seu aniversário de 106 anos

Para dona Zezé, a atividade é essencial para viver feliz na “quarta idade”. Isso e uma atitude positiva. “Não guardo raiva de ninguém. Esqueço tudo, o vento leva”, afirma.
O médico psiquiatra Elko Perissinotti concorda com a receita. “O que a gente mais ouve de quem tem mais de 70 anos é ‘vou fazer isso para quê? Estou no fim da vida’. Mas o que alguns chamam de ‘fim da vida’ pode durar muitos anos. Anos que precisam ser proveitosos”, afirma Perissinotti, do Hospital das Clínicas de São Paulo.
Para envelhecer com saúde, segundo ele, é importante fazer o que ele chama de “musculação para o cérebro”.
“Todas as pessoas perdem massa muscular quando envelhecem e é por isso que fisioterapeutas recomendam musculação. Com o cérebro, é a mesma coisa. Você perde neurônios, então precisa se exercitar para se manter em forma”, explica.
Nessa linha, dona Zezé está seguindo exatametne a recomendação médica. “Aulas de música, como piano, violão, são um exercício fantástico para o cérebro. De idiomas também. E elas estimulam a sociabilidade.”, afirma Perissinotti.
Mas, é claro, não basta a boa vontade do idoso. Os parentes precisam estar envolvidos. “A família é essencial para isso. O idoso precisa se sentir parte da família. Precisa viver, não ser visitado”, completa.



Antonia, com uma taça de vinho na mão, e parte da
família reunida.

Dona Antônia Ferreira Sampaio, de 106 anos, conta com esse apoio. Ela vive em São Paulo, com parte da família. “Parte”, porque são 15 filhos (dez já falecidos), 27 netos, 28 bisnetos e três tataranetas. Apesar do paparico dos familiares, ela confessa que é difícil lembrar o nome de tanta gente.
Como dona Zezé, dona Antonia faz questão de se manter no batente. Ela ajuda nas tarefas de casa -- tirar a roupa do varal é a sua responsabilidade. E, apesar da idade, não deixou de viajar. Em maio deste ano, ela voltou à Bahia, onde nasceu, para passear por Porto Seguro e Ilhéus. A parte favorita da viagem? O voo. “O avião é gostoso demais. Quero voltar para lá”, conta.
O aposentado João Alves Prestes é um ano mais novo do que Antonia, e tão ativo quanto. Nasceu em 15 de agosto de 1905 e tem a saúde tão boa que todos os dias faz uma caminhada pelo bairro. “Ele não tem problema de saúde. Fez exames no mês passado e está zerado. Pressão, colesterol, está tudo bem”, conta o filho Jair Alves Prestes, 61.
Na casa dos Prestes, em Santo André, no ABC, é a neta Rosângela que anuncia em suas anotações o tamanho da família: “são 9 filhos, 32 netos, 40 bisnetos e 9 tataranetos.”
Sentado em uma poltrona, ele diz que “é Deus” o “culpado” por ele ter vivido mais de um século. “Nunca imaginava isso. Tenho muita saúde.”



João Prestes caminha todo dia pelo quarteirão de sua casa.


Fonte:G1

Saudosa tubaína

Em Tatuí, acompanhamos a produção da Tubaína Vieira. Com gostinho de infância, a bebida tem até bar especializado em São Paulo.



A peruana Verônica Goyzueta formou-se jornalista na Universidade de Brasília. Depois, se mudou para São Paulo e trabalhou como correspondente para jornais da Espanha e do Reino Unido. “Fui ficando, me apegando à cidade. Gosto muito de São Paulo", justifica. Paralelamente ao trabalho, em julho de 2009, Verônica abriu na capital paulista, na região do Baixo Augusta, o Tubaína Bar, endereço temático que comercializa 24 tipos de tubaínas, trazidas principalmente do interior do estado. De fora, só a maranhense Guaraná Jesus e a peruana Inca Kola.
A carta traz ainda quinze drinques à base da bebida. O conceito da casa tenta resgatar a tradição do interior paulista, tanto nas bebidas quanto nas comidinhas que são servidas para acompanhar as tubaínas. Sócia na empreitada, Sol Caldeira é a responsável pela cozinha. “A freguesia é variada: executivos da Avenida Paulista, cinéfilos, baladeiros do Baixo Augusta, nostálgicos e gente do interior que vive na capital. Todos têm uma identificação com o refrigerante”, reforça Verônica. Desses clientes, ela costuma ouvir histórias, lembranças de festas de família, de carnavais.

O bar foi o local escolhido para a última degustação às cegas de tubaína promovida pela revista Prazeres da Mesa, publicada na edição junho. Como critério, as candidatas deveriam ser paulistas, consumidas dentro do estado de São Paulo e conter guaraná e xarope de tuti-fruti. Foram analisados o buquê, o gás, o açúcar e o sabor que, quase como o vinho, se “revela” enquanto a bebida está sendo provada.
No balanço final, a Etubaína Orlando, de Ribeirão Preto, e a Cotuba, de São José do Rio Preto, empataram e dividiram o primeiro lugar. O segundo ficou com a Tubaína Vieira, produzida em Tatuí. Na pontuação, que ia de zero a quarenta, ela ganhou nota 34. Foi considerada gostosa: com boa quantidade de gás e doce como uma bala, mas, na medida certa de açúcar.
O iG Comida foi até Tatuí conferir os segredos da Tubaína Vieira, embora os proprietários escondam a sete chaves os ingredientes e medidas da sua composição. “É uma receita familiar e cinquentenária, passada de pai para filho, com o correto processamento de cada um dos ingredientes, aplicados em doses e sequências exatas. Nada mais posso dizer”, conta enigmático Fábio Rossi Rodrigues Alves, sócio-proprietário da empresa familiar, que produz 2 milhões de litros de refrigerantes por mês. São seis sabores: tuti-fruti (carro-chefe), guaraná, abacaxi, soda limonada, laranja e cola.
“É um refrigerante composto por essências e com uma porcentagem de guaraná”, explica Ciro Rodrigues Alves Filho, um dos sócios da empresa e pai de Fábio. Para se ter uma ideia, a produção de tubaína no Brasil abraça 30% do mercado de refrigerantes no país. Não é pouco. No quesito vendas, a empresa assume o primeiro posto entre os produtores da região e o segundo nas outras regiões onde é comercializada.
Os produtos podem ser encontrados em São Paulo, no sul e sudoeste do estado e também no norte do Paraná. A empresa comercializa o refriferante em garrafas de vidro de 600 mililitros e nas do tipo pet, com litragem variada. As de vidro passam por um processo de limpeza e higienização relativamente longo (cerca de uma hora), feito com detergentes especiais e produtos químicos adequados, combinados com água em diversas temperaturas. Depois disso, as garrafas são examinadas uma a uma. O engarrafamento é padrão e também automatizado para os dois tipos de embalagens. A garrafa entra vazia de um lado e sai cheia e tampada do outro, sem contato com o operador. E seguem para a inspeção pós-envase, novamente uma a uma.

Fonte:IG

sábado, 9 de outubro de 2010

A terceira onda da gripe suína

Especialista em infectologia alerta para uma nova pandemia do vírus H1N1. E a história indica que os idosos serão os mais afetados em um novo ataque dos micro-organismos.
Há pouco mais de um ano, o planeta estava em alerta. A preocupação com o risco de pandemia nos primeiros meses deu lugar ao alívio com a criação da vacina capaz de imunizar seres humanos contra o vírus H1N1, causador da gripe suína.
Entretanto, o risco de uma nova onda da doença existe. O alerta foi feito pelo virologista John Oxford, professor da faculdade Barts & The London School of Medicine and Dentistry de Londres, um dos principais pesquisadores no mundo do vírus influenza, em visita ao Conselho Global de Higiene, realizado no Brasil em junho. VivaSaúde conversou com o especialista. Confira a entrevista.

O H1N1 está controlado?

As pandemias de 1918, de 1957 e de 1968 surgiram em diversas etapas. Esses surtos nos mostram que o problema piorou conforme as ondas se sucediam. Então, se estamos interessados em preveni-las, ainda é preciso tomar muito cuidado. Muitas pessoas acreditam que tudo está controlado. Mas no ano que vem haverá uma mudança. É quando deveremos redobrar a atenção, pois o único grupo que não foi atacado até agora é o das pessoas com idade superior a 65 anos. E são essas as pessoas mais vulneráveis ao vírus influenza e, em geral, aquelas que morrem em decorrência de complicações da gripe. Os idosos, na história das pandemias do século passado, foram os que tiveram a maior taxa de mortalidade no terceiro ano de surto, em comparação ao primeiro ano.
O influenza é um organismo que se adapta. O vírus mais perfeito é aquele que se encaixa em todos os grupos e faixas etárias. Neste momento, o H1N1 ainda não atinge todas as classes. Atualmente, o agente ataca jovens, obesos e mulheres grávidas. Portanto, o grupo de idosos com mais de 65 anos, que corresponde a 20% da população, no momento está seguro. Infelizmente, eu não acho que essa situação continuará dessa forma. E esse micro-organismo vai criar mutantes, variantes genéticos, e no final um deles conseguirá atacar os idosos. Depois, ele se tornará o tipo dominante, capaz de atingir todo tipo de indivíduos.

Esta pandemia é tão perigosa quanto às do século passado?

Eu acho que esse surto está sendo subestimado. Ao analisar o número de mortes causadas pela nova gripe, à primeira vista, o problema parece menos grave. O total de óbitos é bastante inferior às vítimas das outras três pandemias. De fato, é exatamente isso o que mostram os dados.
Mas devemos considerar que haveria mais mortos se não tivéssemos interferido. Pela primeira vez aconteceu uma mobilização global. Nos EUA houve um grande impacto nos indivíduos jovens e entre as mulheres grávidas, atingindo a comunidade de um jeito inesperado. No ano que vem, esse vírus vai atingir o grupo de pessoas com mais idade. Será quando o número de óbitos crescerá. É por esse motivo que eu acredito que precisamos nos atentar a essa questão agora, provavelmente com mais seriedade do que levamos na primeira onda.
Será necessária uma nova vacina?

Este ano a vacina ainda vai ser tão boa quanto no ano passado. Neste momento não há nenhuma evidência de que o vírus está mudando suas características biológicas. Ele não precisa mudar agora, ainda existem muitas pessoas suscetíveis aos seus ataques. Mas a partir do ano que vem, e especialmente em junho de 2012, provavelmente ele irá mudar. Cientistas do mundo todo estão atentos às mutações. No final desse inverno vamos procurar saber se já existem os primeiros vírus mutantes.
Qual é o potencial de sobrevivência e transmissão do vírus?

Quando uma pessoa espirra sem tapar a boca, o vírus é projetado e pode se fixar em qualquer superfície, permanecendo vivo de 4 a 8 horas. E não adianta limpar apenas com água, é preciso usar produtos de limpeza para desinfetar o local com produtos apropriados. Depois da limpeza, a pessoa deve lavar as mãos, caso contrário, os agentes que ficaram em sua pele sobreviverão. É possível quebrar a cadeia de transmissão do vírus com base no conhecimento. É por isso que estamos usando a comunicação para que as pessoas saibam como lidar com bactérias e vírus.
A mensagem básica é limpar as superfícies com desinfetante e ficar sempre alerta em relação à distância social. Cada um tem a sua responsabilidade de se proteger e de prevenir que outras pessoas sejam infectadas.
Qual é a importância de uma boa higiene no combate ao H1N1?

Estamos expostos ao canal de transmissão o tempo todo, no contato social. Um exemplo: se eu tenho um tipo de vírus influenza e fico a 2 metros de distância de uma pessoa não infectada, ela provavelmente está segura. Mas se esse espaço entre nós cair para menos de 1 metro, esse indivíduo já não estará mais seguro. Estar imunizado, manter uma distância social segura e manter hábitos de higiene são questões importantes.

Quais ações de higiene são mais efetivas?

Estamos interessados em combater os micro-organismos perigosos por meio de hábitos em casa, o lugar preferido desses agentes. Muita gente acha que vai pegar as doenças em outros lugares, mas o domicílio é um dos principais focos de transmissão, uma vez que as residências estão repletas desses seres. O que levamos para dentro casa, como os produtos animais, geralmente estão infectados com inúmeros micro-organismos. Os animais de estimação também têm e transmitem bactérias para seus donos. Mas é nesse ambiente onde as pessoas vivem e não dá para mudar isso. Por isso, é importante ter uma barreira de proteção por meio da higiene. Isso dá certo, não há como errar.
Devemos dar um enfoque a medidas que impeçam a disseminação dos vírus. É uma questão de aprender e ensinar aos outros como as bactérias e os vírus se reproduzem. E fazer a higiene pessoal básica. Todo mundo deve levar esse aspecto muito a sério.
Mantenha as mãos limpas para se livrar dos vírus

A forma certa de higienizar: utilize sempre água limpa e sabonete. Na falta desses recursos, use álcool para esfregar as mãos para matar os germes.
Quando lavá-las?
Antes de...
Comer, alimentar crianças, aplicar lentes de contato, tomar ou dar remédios.

Depois de...
Ir ao banheiro, trocar fraldas, tocar em animais, ter contato com sangue ou fluidos corporais, tossir e assoar o nariz ou tocar em uma pessoa contaminada.

Antes e depois de...
Lidar com comida crua e dirigir-se a pessoas doentes.


Fonte:Revista Viva Saúde

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Bactérias a tiracolo

Cuidado: as bolsas transportam milhares de microorganismos que podem comprometer a saúde.

Não importa se é Prada, Chanel, Louis Vuitton ou aquela comprada na loja da esquina: toda bolsa de mulher serve como meio de transporte para bactérias.

Isso porque, ao longo do dia, ela passeia pelos mais diversos lugares: rua, ônibus, mesa de trabalho e até chão de banheiro público. Percebeu o perigo que cada mulher carrega nos ombros?

“São encontrados coliformes fecais (bactérias das fezes de animais e seres humanos), Salmonella e até Staphylococus aureos, a temida super bactéria”, diz a microbiologista Marta Cristina Souza, professora da Universidade Metodista, de São Paulo.

A contaminação é muito fácil: a bolsa infectada está o tempo todo ao lado da dona e sem grande esforço a bactéria pode ir parar na mão, no copo sobre sua mesa de trabalho e no prato, durante o almoço.

Uma vez no organismo, essas bactérias podem trazer infecções de pele, gastroenterite (que leva a diarreias, cólicas intestinais e vômitos, entre outros sintomas) e até provocar consequências mais graves em pessoas com baixa imunidade. “O Staphylococus é especialmente preocupante porque tem grande resistência aos antibióticos”, explica a especialista.

Bem instalados

Não é só na área externa que esses germes se agarram. Eles também se instalam na parte interna da bolsa. E os objetos ali guardados acabam servindo de agentes facilitadores para a contaminação.

“A bolacha e a fruta que você carrega alimentam as bactérias”, alerta a microbiologista Marta Souza.

O biomédico Roberto Figueiredo, conhecido como Doutor Bactéria, lembra ainda dos chicletes e balas e diz que os microorganismos gostam particularmente de açúcar e umidade. Daí a pararem na boca é literalmente um pulo. Para evitar problemas, é bom não deixar alimentos de um dia para outro na bolsa, limpar possíveis migalhas e evitar manter embalagens abertas dentro da bolsa por mais de 48 horas.

Nécessaire é outro item essencial na bolsa de uma mulher. E dentro dela, a escova de dentes. A professora da Universidade Metodista diz que é preferível guardá-la em um armário ou gaveta da mesa de trabalho a carregá-la para cima e para baixo. “As cerdas úmidas, fechadas com aquela capinha, formam verdadeiras estufas de microorganismos”.

O celular é um dos objetos mais sujos de uso cotidiano – ele perde apenas para o carrinho de supermercado e para o teclado de computador. E onde a mulher carrega o telefone? Dentro da bolsa, claro.

“Sua sujeira é semelhante à encontrada na sola do sapato”, diz Doutor Bactéria. Para afastar os riscos, vale limpar o aparelho com um pano seco e limpo e, em caso de muita sujeira, com um pouco de álcool isopropílico. Tudo isso com o telefone desligado.

A carteira, claro, não pode faltar. E dentro dela notas de dinheiro que passaram de mão em mão pelos mais variados lugares. Ou seja, o nível de contaminação também é alto.

“Para se proteger, crie o hábito de lavar bem as mãos com água e sabão, pelo menos oito vezes ao dia. Isso pode reduzir em até 80% as chances de contrair doenças infecto-contagiosas”, ensina o biomédico.

Evite a carona indesejável

• Não deixe a bolsa no chão
• Evite levá-la ao banheiro. Se puder, carregue só a nécessaire
• Não coloque a bolsa em cima da pia do banheiro ou sobre a caixa de descarga. Prefira pendurá-la em um ganchinho
• Nunca a deixe sobre a mesa onde você faz suas refeições
• No carro, prefira guardar no porta-malas, que é menos contaminado do que o chão
• Procure limpá-la com pano, água e sabão, no mínimo, uma vez por semana


Fonte:IG

terça-feira, 28 de setembro de 2010

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Algumas receitas da vovó, de fato, funcionam

Batata gelada para curar dor de cabeça

Funciona mesmo, diz a Sociedade Brasileira de Cefaleia. Mas a heroína não é a batata e sim a temperatura fria. Qualquer material gelado provocaria o alívio, inclusive uma bolsa de gelo (mais indicado ainda). Funciona porque diminui a inflamação.

Água com açúcar para acalmar

Milenar e eficaz. A solução acalma porque em situações estressantes, o organismo consome mais glicose. O consumo do açúcar equilibra o nutriente no corpo humano. A mesma razão faz as mulheres sentirem a mesma sensação quando comem chocolate durante a famosa Tensão Pré-Menstrual.

Clara de ovo para assaduras

Um pouco de clara de ovo é um santo remédio para assaduras e pode ser usado em bebês e adultos. O produto não apenas alivia o local machucado, como acelera o processo de recuperação da pele. A receita é tão eficaz que os médicos do Hospital A.C Camargo orientam que os pacientes com câncer de intestino – por causa da doença eles sofrem muito com assaduras – a usar o recurso, que é barato e eficiente.

Panela de ferro para anemia

A criança é fraquinha e a avó logo orienta: precisa cozinhar em panela de ferro para melhorar a saúde. Ponto para o conhecimento popular. A orientação faz parte das recomendações de pediatras e ginecologista. O alimento preparado em panelas de ferro absorve mais o nutriente, justamente o que falta em casos de anemia. A prova disso é que as panelas muito usadas ficam com a parte interna “gasta” com o passar do tempo.

Colo de mãe para aliviar a dor

O instinto materno de segurar o filho no colo depois que ele se machuca foi comprovado cientificamente. Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) atestou o poder do “colo da mãe” para prevenir dor.
O trabalho foi feito com 640 recém-nascidos, pouco antes de tomarem a vacina contra a hepatite B. Uma parte deles recebeu a injeção direto. A outra, antes da picadinha dolorosa, ficou no colo da mãe, pele com pele, por dois minutos. Por meio da intensidade do choro, feições faciais e frequências cardíacas foi possível detectar que as crianças abraçadas expressaram menos dor. Quando o “colo” foi combinado com a água com açúcar a redução foi 25% das manifestações doloridas. A hipótese é que o efeito analgésico é resultante das substâncias formadas por meio do contato e do cheiro entre mãe e filho, que amenizam a resposta do sistema nervoso à dor.

Alho é bom para o colesterol

Quem certifica a receita é a própria Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O chá de alho atua como um expectorante e um antiséptico natual, o que facilita o controle do colesterol. Basta uma colher de café do bulbo e mais 30 ml de água. Receita fácil e barata, para utilizar duas vezes ao dia antes das refeições. A dica só não vale para crianças com menos de 3 anos, pessoas com gastrite e pressão baixa.

Ameixa preta para prisão de ventre

Sim, a fruta é um laxante natural que pode ser encontrado em qualquer feira ou supermercado. Muitas pessoas não sabem, mas não é só a fruta seca que auxilia no trato intestinal. A fruta in natura também é poderosa, tanto que precisa ser consumida com moderação já que o excesso pode ser prejudicial aos rins. Além de ser boa para prisão de ventre, os médicos recomendam ameixa seca para quem tem hemorróidas.

Gengibre para enjôo de gravidez

Para os quatro primeiros meses de gravidez existe uma receita caseira que é comprovada e recomendada pelas autoridades sanitárias do País: o gengibre é um importante agente contra os enjôos. Faça um chá e tome duas xícaras ao dia. O alimento ameniza os efeitos provocados pela produção de hormônios, que é mais intensa entre o segundo e terceiro mês. Só não vale abusar porque muito gengibre não é bom para quem tem cálculos biliares, problemas de circulação e hipertensão – outra doença perigosa, mas comum em grávidas.

Fonte:IG

domingo, 26 de setembro de 2010

Um exercício para cada tipo de dor de cabeça

Na receita de Silvana Mei, 22 anos, não constam medicamentos como aqueles que se pode comprar na farmácia. A recomendação médica para acabar com a enxaqueca que a atacava duas vezes por semana foi uma só: exercícios físicos.



Assim como ela, mais de 72 milhões de brasileiros sofrem com dores de cabeça todo ano, segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Cefaleia. Engana-se quem ainda acha que o alívio pode estar nas prateleiras das farmácias. Quando aquela enxaqueca dá sinais de que está chegando, o melhor é correr para a academia.

“No momento do exercício, há a produção de endorfina e serotonina, este último o neurotransmissor do bem-estar. Ele age como uma morfina natural do organismo”, explica a neurologista Carla Jevoux, da Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC).

Para que ele seja um "santo remédio”, no entanto, a prática precisa ser regular, ou seja, realizada no mínimo três vezes por semana. “A produção constante desses hormônios é capaz de proteger o cérebro da dor, aumentando o limiar de resistência a ela”, afirma.

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina conseguiu expressar os benefícios da atividade física em números. O estudo, que ouviu mais de quatro mil pessoas em todo o país, revelou que um sedentário tem 43% mais dor de cabeça do que alguém que faz exercícios.

Antes de escolher qual atividade física praticar é preciso identificar qual o tipo da sua dor de cabeça.

Tensional

Em muitos casos, o exercício substitui a medicação e a visita esporádica à farmácia é transformada em ida frequente à ginástica. As cefaleias do tipo tensional (como o próprio nome já diz, provocadas por estresse, tensão) são as que apresentam mais melhora com o exercício.

“Em casos de estresse, o ideal são atividades que mudem o foco do pensamento e promovam relaxamento como ioga, alongamento e pilates”, recomenda Rodrigues. Aulas de dança de salão, sapateado, ou balé, por exemplo, também podem entrar na lista.
Saber o que está causando o problema é realmente o ponto chave para que o tratamento seja eficaz. Dores causadas por mudanças bruscas na dieta, por exemplo, pedem outro tipo de interferência. Para estes casos, musculação de alta intensidade com uma hora de duração é o mais indicado.

TPM

Não bastasse a irritabilidade, a sensibilidade exacerbada e a cólica, a tensão pré-menstrual também vem acompanhada da dor de cabeça, mais parecida com a tensional, mas que varia com a oscilação hormonal. Para esses dias, o professor de educação física recomenda exercícios aeróbicos progressivos.

“É melhor evitar o exercício muito intenso sem aquecimento adequado. É preciso ir devagar, aos poucos, ou a dor pode piorar e começar a latejar”, conta. Segundo pesquisa da SBC, 60% das mulheres sofrem de cefaleia durante o período menstrual.
“É um hábito que costuma ser eficiente, já que ajuda na produção de substâncias que não deixam a dor aparecer”, expõe a neurologista.

Enxaqueca

Para manter a enxaqueca longe de você, há duas opções: musculação pesada ou exercícios aeróbios. O importante é que seja vigoroso. “Tem que ficar ao menos ofegante. Um treino bom para isso, por exemplo, pode ser uma caminhada mais forte como andar quatro minutos e correr um. Isso melhora o fluxo sanguíneo e atenua a dor de cabeça”, diz Rodrigues.

Além disso, você pode optar por aulas de spinning, jump (em cima de pequenas camas elásticas) ou boxe, que são intensas. “É possível reduzir a freqüência das crises e a dor passa a ser mais moderada”, diz Carla.

No entanto, se a sua enxaqueca já se instalou, preste atenção na intensidade da dor. Se estiver insuportável, evite o exercício, procure um quarto escuro e relaxe. Mas, se a dor ainda estiver chegando, vale a pena tentar atividades relaxantes como ioga ou alongamento.

Sem receita

Para este remédio, não há contraindicação, mas alguns casos exigem atenção. Quem tem hipertensão, diabetes, outras doenças crônicas ou problemas na coluna deve tomar cuidado. “É preciso ficar atento para a dor gerada pelo exercício. Por isso, é importante uma avaliação prévia. Pode haver compressão de vértebra, por exemplo, que faz pressão no nervo, causando dor”, relata Isaias Rodrigues, professor de educação física da Monday Academia.

A neurologista alerta também para o caso da cefaleia do esforço físico, que aparece depois de uma atividade extenuante. “Em geral, ela aparece se a pessoa está em um lugar de calor, no sol ou em altitudes elevadas. Tem características pulsáteis, mas, diferente da enxaqueca, atinge os dois lados da cabeça. Pode durar cinco minutos ou até dois dias. O importante, nesses casos, é procurar um médico para que ele afaste outro qualquer problema”, alerta Carla Jevoux.


Fonte:IG

sábado, 25 de setembro de 2010

Comida de insetos ganha adeptos

Comidas à base de insetos não estão apenas no reality Hipertensão, da Rede Globo. Populares no oriente, elas estão cada vez mais conhecidas no resto do mundo.

A cigarra faz parte da culinária do México e do Vietnã, assada ou frita. O cupim refogado ao curry pode ser provado na Índia. Os grilos são saboreados na África. E até mesmo em Nova York, existem menus gourmets com as iguarias. No Brasil, a farofa de iça (a formiga tanajura) é servida no interior. No Sesc de São Paulo, um curso sobre sabores asiáticos também inclui a degustação de insetos.

Seu estômago ainda está revirado? Pois superar este tabu pode abrir novas possibilidades para o seu paladar, segundo o chef americano Phil Ross, que criou o cardápio de insetos no restaurante Brooklyn Kitchen. “Quando as pessoas provam, percebem que é realmente bom”, disse ao New York Times.
Além de serem comercializados a granel em armazéns, os insetos também estão em doces e salgadinho, vendidos pela internet. A HotLix oferece pirulitos de verme e até mesmo gafanhotos tostados, que podem ganhar sabor bacon. A Fluker, além de comercializar os animais vivos, tem insetos com cobertura de chocolate e uma espécie de barata para ser degustada frita. A Edible vende tarântulas e doces de escorpiões.

No livro Creepy Crawly Cuisine, a pesquisadora Julieta Ramos explica que existem catalogados no mundo 1417 insetos comestíveis. "O erro de muitas culturas acharem que os insetos são sujos as impediu de aproveitá-los", escreve ela. E esclarece: são cheios de proteínas e mais próximos das lagostas e camarões do que imaginamos. Assim como os crustáceos, são do filo Artrópodes. Com uma vantagem: são mais baratos!

Fonte: GNT



Vai um tira-gosto aí?.....rsrs

Evento Farmácia

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Orégano: a mais nova arma contra o aquecimento global

Suplementos de orégano adicionados à alimentação do gado ajudam a diminuir a emissão de gás metano na atmosfera.





Cientistas da Universidade da Pensilvânia descobriram que suplementos de orégano na alimentação de bovinos ajudam a reduzir em 40% as emissões de metano em vacas, uma dos conhecidos agravantes do aquecimento global. De quebra, o orégano também aumenta a produção de leite.

O metano é um dos gases responsáveis pelo efeito estufa, uma das causas do aquecimento global – ele ajuda a reter na atmosfera parte da radiação solar refletida pela superfície da Terra e absorvida pelos e dióxido de carbono, e com isso as temperaturas aumentam. Comparado com outro gás-vilão, o dióxido de carbono, o metano tem 23 vezes mais potencial de criar o aquecimento global. E um dos maiores emissores do gás são os animais ruminantes, como bovinos, ovinos, caprinos e cervos – a pecuária responde por 16% das emissões totais de metano no planeta.

O gás é produzido naturalmente pelos animais em um dos quatro estômagos do complexo sistema digestivo. Quando a vaca digere seu alimento, bactérias presentes no rúmen – o maior dos estômagos – fermentam o material para liberar seus nutrientes, e um dos subprodutos é o metano. Quanto mais fibra presente na dieta, maior a emissão de metano.

Mas o orégano, em forma de suplemento adicionado à ração, inibe as bactérias metanogênicas, o que reduz a produção de metano. “Ele aparentemente também inibe outras espécies de bactéria, mas isso não afeta a fermentação global no rumem”, disse Alexander Hristov, autor do estudo.

As oito vacas do experimento produziram um litro e meio a mais de leite do que as que não tomaram o suplemento de orégano. Hristov acredita que isto esteja atrelado ao fato das vacas deixarem de perder de energia com o gás metano, que são cerca de 7% da energia bruta do alimento. Desta forma, elas podem usar a energia que seria usada na transformação do metano para a síntese do leite.

O professor vai continuar seu estudo. Ele pretende fazer testes em outras oito vacas. “O orégano é muito caro para servir de alimento para o gado, vamos estudar os componentes do orégano para que possamos criar um suplemento sintético”, disse ao iG.

Hristov disse que alguns compostos presentes no orégano, como carvacrol, geraniol e timol, parecem desempenhar um papel mais importante na supressão de metano. Identificar os compostos ativos é importante porque compostos puros são mais fáceis de produzir comercialmente e mais econômica para os agricultores a usar.


fonte:IG

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Gordura de lipo pode ajudar na regeneração muscular




Pesquisa com células-tronco são polêmicas, sobretudo quando a matéria-prima usada é embrionária. Por isso, as células-tronco adultas têm uma grande vantagem: são descarte biológico, ou seja, polpa de dente de leite, tecido do cordão umbilical e gordura de lipoaspiração. Esta última fonte mostrou-se a melhor das três para a regeneração muscular, segundo estudo do Centro de Estudos do Genoma Humano da USP publicado neste mês no portal científico PubMed. Liderada pela professora Mayana Zatz, a pesquisa comparou o potencial de diferentes fontes de célula tronco (cordão, dente e gordura) para atuar especificamente sobre músculos.

Em testes in vitro, as três fontes se mostraram igualmente capazes de se transformar em célula muscular. Na segunda etapa do estudo, os pesquisadores injetaram células-tronco oriundas de cordão umbilical e tecido adiposo em camundongos com distrofia muscular. "Tivemos uma surpresa. As células têm uma espécie de memória da onde vieram e uma vocação maior para se tranformar em um tipo ou outro de célula", afirma Mayana. Como resultado, as células do tecido adiposo tiveram maior vocação para formar músculo. Segundo pesquisas recentes, as células do cordão umbilical têm bons resultados na tranformação em tecido ósseo, bem como as de polpa de dente de leite.
Para que sejam usadas, essas três fontes passam por um cultivo especial.

A gordura que veio de uma cirurgia de lipoaspiração, por exemplo, é lavada (para tirar o sangue que vem com ela), depois caracterizada, cultivada e só então pode ser chamada de célula-tronco. Nessa etapa, ela terá de ser capaz de formar quatro tipo de linhagens: osso, músculo, cartilagem e gordura. "Numa lipo tem muito mais material. As melhores células-tronco não são de pessoas obesas, mas daquelas que têm só um pneuzinho", afirma. E não é difícil conseguir o material, já que mulheres e homens estão cada vez mais adeptos desse tipo de plástica. Mais abundante do que a polpa de um pequeno dente-de-leite, sem dúvida.

Fonte: Revista Época.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Alimentos: os top 5 da contaminação

Na rua ou em casa, eles podem estar infectados de bactérias nocivas à saúde. Veja como se proteger.

Quem nunca teve um mal-estar, acompanhado de dor de barriga e vômitos depois de comer alguma coisa na rua?

Só no ano passado, o Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), do governo do Estado de São Paulo, notificou 7253 casos de doenças transmitidas por água e alimentos (DTA) – tendo como agentes bactérias como a Salmonella e a E. coli, entre outras. Desse total, foram 384 surtos e seis óbitos.

O perigo que pode estar no carrinho de cachorro-quente e no restaurante próximo ao trabalho também pode ser encontrado na geladeira de casa.
“Todos os alimentos são de riscos se preparados sem higiene e/ou mantidos sem refrigeração ou aquecimento adequado”, alerta Maria Bernadete de Paula Eduardo, diretora da Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar do Centro de Vigilância Epidemiológica/SES-SP.

Na rua

Alguns alimentos exigem cuidado dobrado antes de serem colocados no prato, ainda mais quando não se conhece a sua procedência. Confira os cinco alimentos mais relacionados a riscos de contaminação nas ruas:

Ovo

Pode abrigar a bactéria Salmonella, que causa diarreia, febre e vômitos, e até óbito em crianças, gestantes e pessoas com o sistema imunológico debilitado. “O maior risco é ingerir mal cozido (com a gema mole) ou cru (usado em alguns preparos como a maionese)”, alerta a nutricionista Patrícia Ramos, coordenadora do Serviço de Nutrição do Hospital Bandeirantes, de São Paulo.
Segundo o biomédico Roberto Figueiredo, o Dr. Bactéria, um em cada 200 ovos em uma granja pode conter a Salmonella. A dica é optar pelo produto pasteurizado. “O processo de pasteurização elimina a bactéria”, diz o especialista. Acontece que na rua nem sempre é possível confiar na procedência do alimento.
“Se o ovo estiver contaminado, a alta temperatura do cozimento será capaz de eliminar o microorganismo”, completa a nutricionista Jaqueline Bernardini, da Clínica Medicina Integrada, de São Paulo.

Folhas

Larvas e bactérias podem estar escondidas entre as folhas verdinhas expostas nas travessas dos restaurantes a quilo. “Só lavar com água não basta. É preciso realizar uma desinfecção química para eliminar os microorganismos”, explica a nutricionista Patrícia Ramos. Isso significa que antes de serem oferecidas ao consumo, as verduras devem ficar mergulhadas por pelo menos 15 minutos em uma mistura de água e água sanitária (hipoclorito de sódio) – para cada litro de água, uma colher de sopa de água sanitária de boa procedência e não odorizada.
Não é o caso de eliminar a salada do prato, claro. “Mas fique atento à higiene do local e às condições de preparo e armazenamento dos alimentos”, reforça Maria Bernadete de Paula Eduardo, do CVE.

Carnes

Espetinhos, churrasquinhos, sanduíches de carne assada podem conter a bactéria Clostridium perfringens, causadora de cólicas e diarreia. Esse microorganismo é resistente muitas vezes até ao cozimento. “A carne deve ser armazenada sempre em temperatura inferior a cinco graus. Na hora de consumir, opte pela preparada na hora e bem passada, sendo mantida acima de 60 graus”, ensina Dr. Bactéria.

Cachorro-quente

O problema principal está na salsicha, que pode conter a bactéria Listeria monocytogenes. Após sua ingestão, costumam aparecer diarreia e fortes cólicas abdominais, por 24 horas. Não é indicado consumir a salsicha que esteja fora de refrigeração, crua ou aquela mergulhada há horas na panela do carrinho de cachorro-quente, a não ser que a água emane vapores, isto é, esteja acima de 60 graus.
“Ela deve ser cozida na hora e por cinco minutos após levantar fervura”, aconselha Dr. Bactéria. Cuidado ainda com o purê que acompanha o sanduíche: por ser preparado com leite e muitas vezes ficar exposto inadequadamente – o que também pode causar problemas.

Maionese

Para passar a ideia de saborosa e sem aditivos químicos, muitos comerciantes oferecem a “maionese caseira”. Além do risco da contaminação pelo uso de ovos crus no preparo, a falta de higiene da embalagem (bisnagas) e a refrigeração inadequada transformam o alimento em uma bomba de contaminação.
“Nunca coma maionese feita com ovos crus ou em embalagens que ficam fora da geladeira. Prefira os sachês industrializados para maionese, mostarda e catchup”, diz Maria Bernadete.

Em casa

Nem a segurança do lar está imune aos microorganismos. Aliás, pesquisas apontam que a maior parte dos casos de contaminação acontece dentro de casa. Conheça os top 5 da contaminação residencial.

Sobras do almoço

Aquele arroz com feijão que sobrou do almoço podem ficar para o jantar e até para o dia seguinte. Desde que manipulados de maneira adequada. “Tire das panelas, acondicione-os em outro recipiente e leve-os à geladeira”, ensina Jaqueline Bernardini.
“Pode guardá-los até mesmo quentes. Isso não estraga a geladeira, nem a comida”, diz Dr. Bactéria. Mas até que esfriem, mantenha o recipiente aberto. “Aquelas gotículas de água que se formam na tampa (umidade) podem facilitar a proliferação de bactérias”, completa a nutricionista.
A geladeira doméstica geralmente trabalha a 10 graus: nessa temperatura é capaz de conservar a comida por 24 horas. Se estiver a cinco graus, o prazo se estende até três dias. Agora, se a sobra foi grande e não será consumida rapidamente, melhor congelar.

Frios

Retire-os da embalagem original e coloque-os em recipientes com tampas. Na hora de se servir de uma fatia, utilize um garfo, evitando manipular o alimento com as mãos. “Consuma-os em até dois dias”, sugere a nutricionista da Clínica Medicina Integrada. Ranço e gosma na superfície dos frios significam microorganismos em ação – e problemas de contaminação na certa se forem ingeridos.

Bolo de aniversário

Geralmente recheados e preparados com leite e ovos, eles costumam ficar expostos, enfeitando a mesa do aniversariante.
“Esse tipo de alimento não pode ficar mais de duas horas em temperatura ambiente, sob o risco de favorecer a proliferação de bactérias e toxinas”, alerta Dr. Bactéria.
Mas o risco maior está na hora de apagar as velinhas. “O aniversariante assopra e espalha gotículas de saliva cheias de Staphylococus aureus, que podem produzir toxinas que provocam intoxicações com náuseas e vômitos.

Palmito

Ao comprar o produto verifique as informações da embalagem: o rótulo deve conter a data de validade, o número do lote e os dados do fabricante. Um alimento de má procedência pode conter a toxina botulínica, bactéria transmissora do botulismo, doença que pode levar à morte.
”Palmito em conserva só deve ser adquirido de marca e estabelecimentos confiáveis. Por ser um vegetal mole, ele não resiste a altas temperaturas e para que não venha desenvolver a toxina botulínica deve ser preparado industrialmente com quantidades de ácido e sal adequadas. As conservas clandestinas, caseiras ou adquiridas em beira de estrada são de extremo risco”, avisa Maria Bernadete, do CVE. E antes de consumi-lo em casa, a recomendação é fervê-lo durante 10 minutos.

Enlatados

O cuidado aqui é com a embalagem. “As latas têm um verniz interno, que preserva seu conteúdo. Pequenas batidas podem romper essa proteção e comprometer o alimento”, diz a nutricionista Patrícia Ramos. É importante também higienizá-las (lavar com água e detergente) antes de abri-las.
“Ao abrir, verifique se não contém bolhas, como se estivesse fermentado. Drene a água e consuma ou prepare imediatamente. Se não for utilizar todo conteúdo da lata, retire da embalagem, coloque em outro recipiente com tampa, marque a data e consuma em até três dias”.



Fonte:IG

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

sábado, 4 de setembro de 2010

Cientistas desenvolvem rim implantável

Equipe cria primeiro rim artificial que poderá ser implantado em humanos.

Pela primeira vez, uma equipe de cientistas conseguiu desenvolver um rim artificial que poderá ser implantado em seres humanos. Ele será capaz de substituir as seções de diálise e as longas filas de espera por um transplante.

A equipe da Universidade da Califórnia anunciou nesta semana que conseguiu desenvolver um protótipo funcional do rim, mas ainda em grande escala – o dispositivo é quase do tamanho de uma sala. Eles pretendem usar os processos usados na fabricação de chips de silício para reduzir o órgão artificial para o tamanho de um órgão natural.

É a primeira tecnologia deste tipo que poderá ser reduzida e implantada em doentes. Os cientistas usaram as mais modernas técnicas da nanotecnologia e da geração de tecidos para desenvolver o sistema.

O dispositivo usa milhares de filtros minúsculos para retirar as impurezas do sangue. Enquanto isso, um cartucho feito de células renais artificiais deverá copiar outras tarefas dos rins, como seu papel metabólico. O sistema usará a força da pressão sanguínea do próprio paciente para fazer o filtro funcionar e bombear o sangue.





fonte:Revista Galileu

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

cartão pré-pago para serviços médicos

Quem acha que os planos de saúde são demasiadamente caros porém não quer depender somente do sistema público tem uma alternativa: o cartão pré-pago para serviços médicos.

O usuário adquire um desses cartões e o carrega com créditos da maneira que achar melhor para depois utilizá-lo em clínicas e consultórios conveniados.

Cada consulta sai por R$ 50. Pode-se também fazer exames diversos pelo mesmo valor que as operadoras de plano de saúde repassam aos laboratórios –um preço bem inferior, portanto, ao que se gastaria com o serviço particular. Por exemplo, em São Paulo, uma consulta médica custa a partir de R$ 150.

No momento, o cartão está disponível em algumas partes do Rio de Janeiro, do Espírito Santo, de Minas Gerais e do Pará, e em breve também será encontrado na Bahia e no Paraná. As emissoras do instrumento são diferentes em cada localidade.

“Essa ferramenta facilita o acesso rápido a bons serviços e bons profissionais. Na rede pública, às vezes demora muito para se conseguir marcar uma consulta, o que posterga o início do tratamento. Começar a cuidar de um problema cedo melhora o prognóstico para a doença”, diz Euclides Carpi, presidente da federação de Unimeds do Rio, que lançou a ideia. O cartão da empresa se chama I-Saúde e circula no norte fluminense, no sul capixaba e na região de Pouso Alegre, em Minas.

O instrumento não serve, entretanto, para procedimentos que requeiram internação.

Fora do circuito das Unimeds, o cartão possui a bandeira da rede Sempre e é oferecido por empresas do ramo, como farmácias. Esse é o caso do Pará, onde começará a ser emitido pelo grupo Extra Farma, de Belém.

A recarga pode ser realizada em pontos autorizados e também por meio de boleto bancário.

“Conforme a estrutura for crescendo, o cliente poderá usar o cartão em qualquer clínica credenciada no Brasil”, explica Alberto Techera, diretor da unidade de negócios de saúde da APPI Tecnologia, responsável pelo sistema. A rede ainda possui um programa de fidelidade, que concede pontos de acordo com o uso da ferramenta, os quais podem ser trocados por serviços.

A expectativa da companhia é alcançar 10 milhões de cartões em dois anos. Atualmente, são cerca de 60 mil usuários. Há 600 estabelecimentos médicos conveniados.


fonte:IG

sábado, 21 de agosto de 2010

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

O segredo da longevidade

Pela primeira vez, cientistas identificaram o conjunto de genes que nos faz viver mais. Seremos capazes de retardar nosso envelhecimento?

A gaúcha Olivia Franco da Silva faz questão de manter os costumes nutridos ao longo de seus 101 anos. Assim que acorda em sua casa em Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre, acende um cigarro. A única diferença é que ela trocou há 15 anos o fumo enrolado em palha, igual ao que roubava da mãe desde os 8 anos, pelos cigarros industrializados. Torresmo, ovo frito e linguiça fazem parte do seu café da manhã. “Se não tiver isso, ela não come”, diz Hevelin Ferreira, de 28 anos, uma de suas mais de 20 netas. Olivia não gosta de comidas “finas” – como chama o arroz e feijão feito com pouco óleo. Para ela, os alimentos devem ser preparados em banha de porco, como seus pais faziam quando moravam na roça. Nos finais de semana, Olivia não recusa uma dose de cerveja preta. Caipirinha só se for de cachaça artesanal, porque a industrializada “parece água de tão fraca”. Com seus costumes simples Olivia cruzou a fronteira dos 100 anos, o que só acontece com uma em cada 6 mil pessoas. Mais. Ela fez isso contradizendo a fórmula da vida longeva prescrita pelos médicos: alimentação equilibrada, atividade física e uma existência livre de vícios. Apesar de seus hábitos pouco saudáveis, Olivia nunca foi internada nem toma remédios (diz se proteger com reza e chá caseiro). Não tem sequer colesterol alto.

A vida longa e saudável de Olivia não inspira só aqueles que não conseguem abdicar de seus pequenos pecados cotidianos. Para muitos cientistas, gente como ela guarda o segredo da longevidade. Por que essas pessoas, com tantos anos a mais, parecem ter menos problemas de saúde do que a maioria de nós – que, já no meio da vida, sofremos com hipertensão, colesterol alto, diabetes e doenças cardíacas? “Os centenários são um modelo de como envelhecer porque conseguem postergar o aparecimento de doenças”, diz o geriatra Thomas Perls, pesquisador da Universidade de Boston, nos Estados Unidos. “Cerca de 90% permanecem sem problemas de saúde pelo menos até os 93 anos.” Na semana passada, Perls levou um grupo de cientistas ao mais próximo que a ciência já esteve de revelar o segredo da longevidade. Sua equipe publicou na revista científica Science, uma das mais importantes do mundo, uma análise da genética de 1.055 idosos entre 95 anos e 119 anos. Os cientistas investigaram o genoma dos centenários de Boston e arredores que integram um dos mais importantes projetos de pesquisa sobre envelhecimento, o New England Centenarian Study. Também participaram da análise genética idosos recrutados por uma empresa de biotecnologia americana.



Frente a frente com um grupo tão singular, os cientistas tiveram a chance de avaliar se a receita para uma vida longa estava escondida entre as letras químicas do nosso código genético. Eles compararam os genes encontrados nesses voluntários centenários aos genes de filhos de pessoas que morreram com menos de 73 anos. O resultado da pesquisa mostrou que o grupo de centenários compartilha cerca de 150 variações de genes, que seriam os responsáveis pela longevidade fora do comum – ou excepcional, como chamaram os pesquisadores.

Trata-se da vida longa, sem grandes problemas de saúde, experimentada pela brasileira Olivia e por vários velhinhos ou velhinhas que andam por aí. Se houver um desses em sua família, há bons motivos para comemorar, segundo o estudo liderado por Perls. A descoberta de genes mais frequentes entre as pessoas longevas mostra que, nesses casos, os fatores genéticos são mais importantes na determinação da duração da vida do que os ambientais (o tipo de alimentação e a prática de atividades físicas). Mas atenção: esses casos são exceção. Para a maioria dos mortais, os genes determinam apenas 30% da extensão da vida. Os outros 70% ficam a cargo de nossas escolhas, de como nos cuidamos.



fonte:Revista Época

quarta-feira, 21 de julho de 2010

SEMANA MUNDIAL DE ALEITAMENTO MATERNO

SEMANA MUNDIAL DE ALEITAMENTO MATERNO
SERÁ COMEMORADA EM EVENTO GRATUITO NO HORTO FLORESTAL

Caminhada de Incentivo ao Aleitamento acontecerá no dia 1º de agosto

Mais de 10 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade morrem a cada ano no mundo por doenças que podem ser evitadas com medidas simples. O aleitamento materno é a principal delas.
Visando estimular o aleitamento materno imediato pós-parto e exclusivo, até no mínimo os seis meses de idade, como forma de prevenir males nas mães e nos bebês, ajudando em seu desenvolvimento físico e emocional, a Associação BemVindo realizará no dia 1º de agosto, às 10h, a 1ª Caminhada BemVindo de Incentivo e Apoio ao Aleitamento Materno, noHorto Florestal, zona norte de São Paulo.

A Caminhada é o ponto central de um evento que oferecerá aos participantes palestras e oficinas de aconselhamento em aleitamento materno, shantala, ecofuturo (a importância da interação com o bebê desde a gestação), slingadas (método seguro para transportar o bebê), douladas (bate-papo e encontro de Doulas – acompanhantes de parto), projeto Acalanto (a música pela qualidade de vida), bancos de leite e a segurança das crianças no trânsito.

Além das oficinas para as gestantes, mães, pais e bebês, todos os participantes poderão realizar testes de glicemia, aferição da pressão arterial e reflexologia (massagem relaxante nos pés).

O evento terá início às 9h com a palestra Amamentação “BemVinda”, seguido da abertura oficial, caminhada às 10h e oficinas e exames das 11h às 15h.

O evento é aberto a toda comunidade.
A participação é gratuita e não requer inscrição prévia.

A Caminhada Bem-Vindo também tem como propósito fazer parte da Semana Mundial de Aleitamento Materno, que é comemorada desde 1992 e reconhecida pelo Fundo das Nações Unidas (Unicef), pela Organização Mundial da Saúde - OMS e pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação – FAO.


Participem!!!!!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Um em cada 5 transplantes de SP beneficia pacientes de outros estados

Número é de estudo da Secretaria da Saúde divulgado nesta segunda.
Transplantes cresceram 31,6% nos cinco primeiros meses de 2010.

Um em cada cinco transplantes realizados em hospitais de São Paulo beneficia pacientes de outros estados, de acordo com levantamento divulgado nesta segunda-feira (5) pela Secretaria de Estado da Saúde. Foram pesquisados os 7.580 transplantes de doadores falecidos, entre órgãos e córneas, realizados em São Paulo no ano passado.

Do total de transplantes, 1.632 (21,5%) beneficiaram pessoas que moram em outros estados brasileiros. O maior índice foi registrado em transplantes de pâncreas, com 46,5% de pacientes residentes de outros estados, seguido de córneas (24,7%), transplante simultâneo de pâncreas e rim (24,7%), fígado (18,1%), pulmão (12,5%), coração (10,8%) e rim (6,1%). A legislação permite que pessoas sejam inscritas na lista de espera de um estado diferente daquele que residem.

Entre os mais de 1,6 mil transplantados, 619 residem no Rio de Janeiro, 315 em Minas Gerais, 101 na Bahia e 55 em Goiás. Todos os estados e o Distrito Federal tiveram pacientes beneficiados por transplantes realizados em hospitais de São Paulo.

Segundo dados da Secretaria da Saúde, o número de transplantes cresceu 31,6% nos cinco primeiros meses de 2010, em comparação com o ano passado. Foram realizados 1.044 transplantes, contra 793 em 2009. Os transplantes de pulmão quase triplicaram no período, passando de 12 para 32 cirurgias. Os procedimentos com rins cresceram 41%, de 441 para 622, e os de fígado 19,3%, de 243 para 290.

O número de doadores cresceu 34,5% nos primeiros cinco meses, também em relação ao ano passado. De janeiro a maio houve 382 doações, contra 284 no mesmo período de 2009.



fonte:G1

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Labrador avisa menina diabética quando taxa de açúcar se altera

Cão treinado para detectar o nível de açúcar no sangue de seres humanos evita que menina britânica entre em coma.

A cadela Shirley é um dos dez cães treinados pela entidade beneficente Cancer & Bio-detection para alertar diabéticos quando sua condição se deteriora e mora há quatro meses com a pequena Rebecca Farrar, que tem diabetes tipo 1.



A cadela Shirley é um dos dez cães treinados pela entidade beneficente Cancer & Bio-detection para alertar diabéticos quando sua condição se deteriora e mora há quatro meses com a pequena Rebecca Farrar, que tem diabetes tipo 1.



"Ela salva a minha vida", diz Rebecca, que é a primeira criança a receber um cachorro para detectar sua doença. "Ela é minha melhor amiga." Shirley é capaz de sentir uma mudança de odor exalado pelo corpo de Rebecca quando sua taxa de açúcar cai ou sobe a níveis alarmantes.

O cheiro não é detectado por seres humanos e é um sinal emitido pelo corpo antes de outros mais aparentes, como palidez.

Ela então começa a lamber os braços e as pernas da menina para alertá-la. Desta forma, a menina ou sua mãe têm condições de tomar providências para evitar um colapso.

Alerta precioso

"Shirley percebe (a queda no nível de açúcar) bem rapidamente e começa a lamber as mãos e pernas de Rebecca até ela tomar uma Coca-cola ou ingerir açúcar, que elevam seus níveis de açúcar novamente. Quando a taxa está muito alta, Shirley também sente e dá o alerta", explica a mãe de Rebecca, Claire.

A mãe lembra de um episódio em que ninguém percebeu que a taxa de açúcar de Rebecca estava caindo até Shirley dar o precioso alerta.

"Nós não tínhamos ideia de que ela estava com a taxa de açúcar baixa. Ela estava dançando em um clube com seu irmão-gêmeo, Joseph, e quando os dois voltaram à mesa para tomar algo, Shirley começou a lamber as mãos de Rebecca. O kit de primeiros-socorros estava embaixo da mesa e Shirley foi até lá e pegou um exame de nível de açúcar", conta Claire.

"Ela deu o exame a Rebecca e começamos a desconfiar que tinha algo de errado. Fizemos o teste, e o nível estava bem baixo. Se eu não tivesse Shirley, Rebecca teria entrado em colapso. E quando isso ocorre, ela entra em um sono tão profundo que se tentamos colocar açúcar em sua boca, ela engasga."
A presença de Shirley na casa também tornou a vida de toda família mais fácil.

"Ela tinha um colapso a cada dois dias. Às vezes eu a socorria apenas pouco antes de ela entrar em um colapso muito sério, outras vezes eu tinha de chamar a ambulância", conta Claire. "Mas agora temos Shirley e ela detecta a queda no nível de açúcar antes de Rebecca perceber o problema."

Claire conta que também consegue ter noites de sono mais tranquilas, sem medo de a filha ter algum problema durante a noite, como ocorria antes de Shirley dormir ao lado da cama de Rebecca.

A entidade beneficente que deu Shirley à família treina cachorros para detectar todo tipo de doença, incluindo câncer.

"O que nós descobrimos nos últimos cinco anos é que cães são capazes de detectar doenças humanas pelo odor. Quando a nossa saúde altera, temos uma pequena alteração no odor do corpo. Para nós é uma mudança mínima, mas para o cachorro é fácil de notar", diz ClaireGuest, da organização Cancer & Bio-detection.



fonte:IG

quarta-feira, 23 de junho de 2010

quinta-feira, 17 de junho de 2010

quarta-feira, 16 de junho de 2010

SP abre o primeiro hospital público de transplantes

Hospital Brigadeiro abriga nova instituição.
Ela terá capacidade para fazer mais de 600 transplantes por ano.

A partir desta terça-feira (15), o Hospital Brigadeiro, na região da Avenida Paulista, muda de nome e de perfil. Passa a se chamar Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo Dr. Euryclides de Jesus Zerbini e, como o nome já diz, torna-se uma referência no estado como o primeiro hospital público especializado em transplantes de órgãos.

Com um investimento de R$ 37,3 milhões, a administração do agora antigo Hospital Brigadeiro também muda. Ele passa a ser gerido pela Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), uma organização social de saúde (OSS) ligada à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O novo centro tem capacidade para a realização de 636 transplantes por ano: 240 de rim, 200 de córnea, 100 de fígado, 48 de pâncreas e 48 de medula óssea. Os procedimentos serão realizados em nove salas cirúrgicas, com a retaguarda de 153 leitos de internação, entre eles 21 reservados para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Além de realizar esses procedimentos, o hospital servirá também como centro de análises patológicas para a realização de transplantes em outros hospitais do estado.

Uma central 24 horas funcionará no local, com capacidade para fazer os exames de anatomia patológica e emitir laudos à distância para outros hospitais. De acordo com o superintendente da SPDM, Nacime Salomão Mansur, o modelo escolhido facilitará a realização de mais transplantes e pode servir de modelo. “Estamos mantendo o que já existia aqui e expandindo com a realização de transplantes”, diz Mansur, citando, por exemplo, os atendimentos de neurologia que continuarão a ser feitos no local.

“O Brigadeiro estava um pouco solto na rede, era um hospital sem manutenção, perdido num lugar central da cidade”, diz Wladimir Taborda, assessor médico da Secretaria de Estado da Saúde." Segundo ele, a meta de 636 transplantes tende a aumentar. “É o padrão mínimo e pode aumentar, porque a captação de órgãos vem aumentando.”



fonte:G1

WWF

Seja um Voluntário


Procure uma entidade beneficente: