sexta-feira, 30 de abril de 2010

terça-feira, 27 de abril de 2010

Doença rara faz menino de 11 anos envelhecer 5 vezes mais rápido

Harry Crowther é um dos 16 pacientes de forma atípica de progéria no mundo.

Um menino de 11 anos que sofre de uma rara doença genética está envelhecendo a uma velocidade cinco vezes maior do que seus colegas de classe e sofre de artrite e outras condições relacionadas à velhice.

Harry Crowther, de West Yorkshire, na Inglaterra, sofre de progéria atípica, uma forma um pouco menos severa da progéria clássica conhecida como síndrome de Hutchinson-Guilford.

O menino, que é menor do que outros garotos da sua idade, não tem gordura corporal e suas feições faciais são semelhantes às de um paciente da síndrome clássica - sua expectativa de vida, porém, pode ser mais alta.



A pele de Harry já começou a afinar, seu cabelo cresce lentamente e os ossos de seus dedos e da clavícula começaram a erodir.

No início de abril, ele teve confirmado o diagnóstico de artrite, depois de começar a sentir dor em suas juntas.

O menino toma analgésicos quatro vezes por dia e faz hidroterapia para ajudá-lo a suportar a dor e exercitar as juntas.

A doença de Harry Crowther é tão rara que seu caso é o único confirmado no Reino Unido. Em todo o mundo, apenas 16 casos são conhecidos, segundo o Great Ormond Street Hospital, onde o menino recebe tratamento.

Por sua condição ser tão rara, os médicos não sabem exatamente quais seus prognósticos.

Os pacientes dessa doença normalmente só apresentam sintomas depois do primeiro ano de vida, mas apesar de ter notado "algo estranho", os pais de Harry só conseguiram confirmar o diagnóstico quando ele tinha sete anos de idade, em um exame nos Estados Unidos.

"Eu vi algumas marcas no corpo de Harry, mas nosso médico disse que se tratavam apenas de marcas de nascença", disse a mãe dele, Sharron. "Mas como as marcas se tornaram mais pronunciadas, pedi para consultar um especialista."

"Muitos especialistas tiveram dificuldades em diagnosticar Harry. No fim, alguém disse que, por sua aparência, Harry poderia sofrer de algum tipo de progéria, então fomos ao centro médico UT Southwestern, em Dallas, para confirmar o diagnóstico."

Ao ouvir a notícia, a reação da família foi mista.

"Inicialmente, ficamos aliviados por saber que não era a progéria clássica de Hutchinson-Gilford, que é muito mais séria", disse Sharron. "O lado ruim é que não há outras famílias com quem possamos falar sobre isso. O Harry é o único menino do país com a doença."

A expectativa de vida de pacientes de progéria clássica vai até a adolescência, mas há casos de pacientes da síndrome atípica que viveram até mais de 30 anos de idade.

O jovem, que também é escoteiro e anda de skate e bicicleta, tem que manter uma dieta baixa em gorduras e realizar atividades físicas, mas ele fica cansado rapidamente.

"A doença não para Harry - ele segue vivendo", disse sua mãe.

Sua saúde tem que ser monitorada constantemente, já que pacientes da doença costumam desenvolver problemas cardíacos.

A doença é causada por uma mutação no gene LMNA (conhecido como o gene do envelhecimento), que faz com que ele envelheça a uma velocidade muito mais rápida do que o normal.

A família do menino criou uma página no Facebook para divulgar informações sobre a doença e ajudar outras pessoas que tenham sintomas semelhantes e não tenham conseguido diagnosticar a doença.


fonte:G1

Indicação TopBlog

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Quase 25% da população sofre de hipertensão

Entre idosos, índice chega a 63%, segundo dados do Ministério da Saúde. Hábito alimentar e modo de vida são apontados como causas.


Dados divulgados nesta segunda-feira pelo Ministério da Saúde mostram que a hipertensão tem avançado no Brasil – passou de 21,5% da população em 2006 para 24,4% no ano passado. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, no entanto, os números já chegam a 30% em todo o país.

Entre as causas apontadas para esse aumento, além das questões genéticas, estão o baixo consumo de frutas e verduras e o alto consumo de carnes gordas e refrigerantes. Segundo o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, um modo de vida cada vez mais sedentário também contribui para esse avanço.

“É difícil trabalhar com questões estruturais, com dinâmicas familiares, com a produção de alimentos, com a construção de uma consciência nova”, avaliou. “Mas é preciso chamar a atenção porque a hipertensão, dentro das doenças crônicas, tem fatores múltiplos como a genética, a falta de atividade física, o sobrepeso e o estresse”, completou.

O governo promete investir R$ 1,5 milhão em cartazes e folders, além de peças veiculadas na televisão e no rádio no combate à doença.

63% dos idosos são hipertensos

A pesquisa divulgada pelo ministério foi feita com 54 mil adultos e mostra que a prevalência da doença, entre 2006 e 2009, aumentou em todas as faixas etárias – sobretudo entre os idosos. Atualmente, 63,2% das pessoas com 65 anos ou mais sofrem do problema. O índice, em 2006, era de 57,8%.

Entre a população até 34 anos, os números não passam de 14%. Já dos 35 aos 44 anos, a taxa é de 20,9%. Dos 45 aos 54 anos, chega a 34,5% e, dos 55 aos 64 anos, totaliza 50,4%.

O estudo mostra ainda que a proporção de hipertensos é maior entre as mulheres – 27,2% contra 21,2% entre os homens. Além disso, mais casos são registrados entre aqueles que têm menor escolaridade. Entre os adultos com oito anos de escolaridade, por exemplo, o índice é de 31,5%, enquanto entre os com nove, dez ou 11 anos de estudo soma 16,8%.

O estudo lançado nesta segunda-feira, Dia Nacional de Combate à Hipertensão, tem como foco a prevenção da hipertensão por meio de escolhas individuais como hábitos alimentares saudáveis e o combate ao sedentarismo e à obesidade. A parceria inclui as sociedades brasileiras de Cardiologia, de Hipertensão e de Nefrologia.

"Inimiga silenciosa"

A hipertensão é uma “inimiga silenciosa da saúde”, já que não apresenta sintomas. A orientação é que as pessoas tenham como hábito aferir a pressão, que deve estar dentro da média de 12 por 8.
A pessoa é considerada hipertensa quando a pressão arterial é igual ou superior a 14 por 9.

A doença é causada pelo aumento na contração das paredes das artérias para fazer o sangue circular pelo corpo. O movimento acaba sobrecarregando órgãos como o coração, os rins e o cérebro. Se não for tratada, a hipertensão pode provocar complicações como o entupimento de artérias, acidentes vasculares cerebrais (AVC) e infartos.


fonte:IG

Mãe dá à luz gêmeos após transplante do coração

Especialistas afirmam que essa foi a cirurgia mais arriscada que eles fizeram. Ela é a primeira do mundo a conseguir!




A vida de Stefania é mesmo uma montanha-russa. Ainda na lua de mel, ela descobriu que estava com uma infecção urinária grave, que evoluiu para uma doença rara chamada de cardiomiopatia restritiva. Ela estava perdendo as esperanças de sobreviver quando conseguiu um doador de coração. Resultado: aos 27 anos, ela teve que se submeter a um transplante. Logo após a cirurgia, quando ainda estava se recuperando, Stefania descobriu que estava grávida. E, para completar, de gêmeos. Os médicos alertaram que dar a luz a gêmeos após o transplante poderia colocá-la em risco novamente.

Apesar do medo, o casal decidiu seguir com a gravidez, enquanto os especialistas reforçavam sobre os riscos para a mãe e para os bebês. Após muitos exames, os médicos diagnosticaram que um dos bebês estava menor do que outro. Isso pode acontecer em gestação gemelares ou com mais bebês. Um dos fetos recebe mais alimento que o outro. Stefania teve que fazer repouso absoluto por 12 semanas para tentar salvar a vida das duas crianças.

Deu certo. Os gêmeos nasceram prematuros, mas saudáveis. “Eu me lembro que havia mais de 50 pessoas dentro da sala de parto para acompanhar a cirurgia. Havia um especialista para tudo. Fui muito bem cuidada”, diz Stefania ao jornal britânico Daily Mail.

Os bebês foram encaminhados para a unidade de cuidados intensivos. O bebê menor teve que fazer uma cirurgia no intestino, mas passa bem.

“Todos os médicos afirmam que a minha cesárea foi a cirurgia de maior risco que eles já acompanharam. Só pode ser milagre mesmo. Graças a doação de um coração, hoje existem 3 pessoas vivas!”, conta Stefania, emocionada


fonte: Revista Crescer

sábado, 17 de abril de 2010

Estresse da mãe pode ajudar a desenvolver cérebro do feto, diz estudo

Pesquisa liderada por ginecologista do John Hopkins aponta que estresse moderado durante a gravidez faz bebês terem maior controle sobre os movimentos.



Nem sempre o estresse durante a gravidez faz mal ao bebê. Segundo uma pesquisa publicada na revista Child Development (Desenvolvimento Infantil) e divulgada pelo site da revista inglesa Newscientist, mães um pouco estressadas podem ter filhos com o cérebro mais desenvolvido.


A experiência liderada pela ginecologista Janet Di Pietro, da Universidade americana John Hopkins, mostrou que os filhos de mães que passaram por períodos mais conturbados durante a gravidez se saíram melhor em testes. A equipe examinou 112 voluntárias americanas que estivessem no terceiro trimestre de gravidez. Os cientistas perguntaram para as mães qual era seu nível de estresse e estudaram os movimentos do feto. Além disso, examinaram os bebês duas semanas depois de seu nascimento.

Nas mulheres que estiveram sob maior tensão, os bebês se mexeram muito mais pelo útero. Depois do parto, esses bebês apresentaram uma irritação maior do que os outros. Apesar disso, seu cérebro estava mais desenvolvido e eles tinham maior controle sobre seus movimentos.

Uma das explicações dos cientistas é que o hormônio do estresse, o cortisol, ajuda na maturação cerebral. A hipótese é que os hormônios das mães tenha ajudado no desenvolvimento dos filhos. É claro que isso só vale para baixos níveis de stress, grandes emoções ainda são desaconselháveis. Outras pesquisas mostram que, em nível elevado, estresse durante a gravidez pode causar asma e aumentar a chance de esquizofrenia.


fonte:revista Galileu

terça-feira, 13 de abril de 2010

Dia do Beijo!!!!!!




rsrs.....Grande beijo a todos!!!!!

Novo código de ética médica entra em vigor nesta terça-feira

Roberto d’Ávila odiou entrar no centro cirúrgico no ano passado. Desde a temperatura do ar condicionado até a forma “mecânica” como foi atendido, tudo foi reprovado.

Ele – cardiologista há mais de 20 anos e presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM) recém eleito – usa agora a experiência de “paciente” para ser maestro do inédito processo de mudança de conduta de todos os médicos do País.


A partir desta terça-feira, dia 13, entra em vigor o novo código de ética médica, uma mudança que deve alterar toda a relação entre médico e paciente.

Foram dois anos de discussão para que 400 delegados de conselhos de classe definissem as 118 normas que vão estabelecer como médicos devem atuar em clínicas, hospitais, consultórios e outros serviços de saúde.

A revisão da prática médica limita até mesmo a atuação dos médicos “pop-stars”: eles não podem fazer propaganda, exibir pacientes e tampouco fazer publicidade de seus consultórios. Os “doutores Hollywoods” foram para a berlinda.

Pacientes experts

O código de ética médica não era revisto há 22 anos. De lá para cá, não só a medicina mudou, mas os pacientes estão muito diferentes. Não é preciso ser experiente como d’Ávila para, durante uma consulta médica, questionar as decisões dos profissionais da medicina. Com a internet, são poucos os que chegam ao consultório sem o mínimo de conhecimento sobre sua condição e muitos questionam os médicos sobre tratamentos e procedimentos clínicos.

A Fundação Oswaldo Cruz, atenta ao fenômeno, divulgou, no ano passado, uma sobre o que chamou de “pacientes expert”. Os pesquisadores revisaram 15 estudos científicos que discutiram os efeitos na prática médica da busca por informações na internet antes da consulta médica. Entre prós e contras, ficou evidente a rede está fazendo com que doentes e familiares exijam do médico constante atualização, além de elevar o poder decisório do próprio paciente.

O fim do “reinado absoluto” dos médicos dentro dos consultórios é um dos pontos centrais do novo código. As novas regras fazem com que os pacientes sejam tão responsáveis pela escolha do tratamento clínico quanto os próprios médicos. Para isso, foi determinado que o profissional deve apresentar todas as possibilidades clínicas existentes – desde que comprovadas cientificamente – e deixar a escolha para o doente.

Isso pode afetar desde a linha terapêutica adotada para um simples resfriado, até as decisões tomadas na polêmica ortotanásia – também regulada pelo novo código de ética. A ortotanásia é termo médico usado para definir a morte natural do paciente, sem interferência de cuidados terapêuticos, quando não há mais possibilidade de cura. O procedimento agora é regulamentado para todos os hospitais.

“Acredito que para ser um melhor médico, todos os profissionais deveriam sentir na pele o que é ser paciente”, afirmou o presidente do CFM. Quando esteve “do lado de lá do balcão” percebeu que a comunicação é a principal falha entre doentes e profissionais de saúde. “Com o novo código, a tendência é melhorar a relação entre pacientes e médicos. O paciente nunca poderá alegar que o médico impôs o tratamento, será uma decisão partilhada.”

Punição por letra feia

Se os pacientes estão mais “antenados” e informados sobre a prática médica, quando o assunto é caligrafia, boa parte dos especialistas parece não ter passado pela pré-escola. Os “garranchos” nas receitas médicas foram avaliados por uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) e a constatação – publicada no ano passado – é que a letra ilegível pode até mesmo interferir no tratamento.

O novo código de ética médica também regulamenta o assunto e o profissional pode até ser punido pela “letra feia”. Na pesquisa da USP, por exemplo, foram analisadas 3.456 prescrições e uma em cada dez apresentava erro (ou falta de registro de CRM, ou letra ilegível ou nomenclatura errada). As especialidades que mais concentraram falhas foram Dermatologia, Urologia e Cardiologia.

Cirurgia plástica, reprodução assistida e outras áreas

Especialistas de todas as áreas serão regulados pelo novo código – e deverão ficar atentos à caligrafia – mas duas áreas ganharam destaque nas novas normas. A reprodução assistida – antes regida apenas por resoluções sanitárias – ganhou duas regras de conduta. É proibido escolher o sexo do bebê durante a fertilização ( processo chamado de sexagem) e o profissional desde campo só pode trabalhar com um número limitado de embriões – para evitar as gestações de quíntuplos ou mais.

Outra área que ganhou normas específicas foi a da medicina estética e da cirurgia plástica. Os médicos só podem receitar depois de ver o paciente, não podem atuar em centros de beleza que vendem produtos ou oferecem serviços como manicures e pedicures e também não podem “diagnosticar” por veículos de comunicação.

Ao todo, são 118 novas normas de condutas.


fonte:IG

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Conheça projeto Cãominhada

Ideia é passear com os cães que esperam adoção no Centro de Controle de Zoonoses.




O projeto Cãominhada, do Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo (CZZ), é uma boa pedida para quem gosta da convivência e de se divertir com cães, mas não tem um animal de estimação.

Com 160 cãozinhos órfãos, o projeto tem como objetivo exercitar e diminuir o estress dos animais, que ficam sob os cuidados da instituição. Todos os domingos pela manhã, o CCZ abre as portas de seu estacionamento para que voluntários levem esses cachorrinhos para passear. Não há motivos para preocupação. Todos os animais já estão vermifugados, castrados e vacinados.

Para participar, o voluntário tem que fazer a inscrição por telefone, ter mais de 16 anos e assistir uma palestra educativa gratuita, que é dada na própria entidade. Além disso, precisa chegar antes das 9h ao local, vestindo roupas adequadas para atividade física, como camiseta, calça e tênis.

Quem se animar com a experiência, pode se tornar até mesmo um monitor-voluntário. O centro fornece capacitação adequada e exige apenas que o interessado compareça todos os domingos, às 8h45, no local da atividade.

Sempre há a possibilidade também de adotar um dos cãezinhos.

Centro de Controle de Zoonoses
Quando: Todos os domingos, das 9h às 12h
Onde: Rua Santa Eulália, 86, Santana, São Paulo
Quanto: gratuito
Informações: 0xx11 - 3397-8900/ 8915/ 8920
Inscrições de segunda a sexta, das 9h às 16h


reblogado do blog do amigo:Marcos Molina

Ajude o Rio de Janeiro!!

Vc quer ajudar os desabrigados do Rio de Janeiro mas não sabe como? Então veja abaixo os postos de arrecadação, e doe esperança para aqueles que perderam tudo!!
Ninguém sabe o dia de amanhã.

Agradeço a querida Fátima do blog: Que saudade da Amélia por ter nos alertado sobre este grande feito.


DOAÇÕES DE ROUPAS E ALIMENTOS:


Em Belo Horizonte/ MG – Avenida Prudente de Morais, n.º 44 – Sala 503 e na Rede Super – Avenida Olegário Maciel, n.º 2181 – Lourdes, Belo Horizonte/MG.


Em Niterói/RJ - Igreja Evangelica Cristã Aliança: Rua Desembargador Lima Castro, n.º 126 – Loja 106 – Fonseca – Essa igreja fez parceria com a Associação dos moradores para arrecadações. Quem preferir depositar a doação pode fazer na conta da igreja: Banco Itaú – Ag. 5649 – C/C: 00093-1.

Igreja Metodista em Icaraí: Rua Mariz e Barros, n.º 163, Niterói/RJ – CEP: 2612-1143.


Em São Paulo/SP - No Estádio do Morumbi, foi montada uma tenda no estacionamento para receber as doações, no estacionamento do Portão 1. A tenda funcionará das sete da manhã às oito da noite, até domingo (11/04), quando as carretas sairão do local levando o material a ser entregue ao governo do Rio. A expectativa é arrecadar até 400 toneladas.


Em todas as lojas dos hipermercados Walmart.

Nas rodoviárias do Tietê, Barra Funda e também na Rodoviária de Campinas/SP.


Reblogado do blog da amiga: Dri Viaro

REATECH 2010

O Grupo de Estudos de Doenças Raras (GEDR) estará participando este ano da Reatech 2010.


A Feira

Para cada caso, uma solução! Esta frase serve para tudo.

Para cada carro, um pneu. Para cada tipo de viagem, um transporte diferente. Para cada parede, uma pintura diferente, e assim por diante.

No mundo das pessoas com deficiências não é diferente, pois a maioria das soluões é individual.

Imagine ficar procurando pela Cidade, pelo Estado, pelo País ou pelo mundo para conhecer e adotar soluções as mais diversas? Uma loucura! Impossível!

E a REATECH consegue esta façanha. Reunir os fornecedores das soluções que atendem às necessidades das pessoas com deficiências.

A cada edição os visitantes voltam com mais interesse para conhecer esses produtos e trazem os seus amigos, ampliando sempre a quantidade e a qualidade dos visitantes.

Sua empresa tem que estar presente neste evento, pois são muitas as oportunidades que se abrem, quer seja com venda direta, quer seja por meio de acordos de representação, distribuição e outras modalidades.

Se a sua empresa faz parte deste mundo, tem que participar da REATECH 2010, uma feira que continua florescendo.



Data, Local e Como Chegar

15 a 18 de Abril de 2010

Quinta e Sexta das 13hs às 21hs.
Sábado e Domingo das 10hs às 19hs.
Visitação Gratuita

Local
Centro de Exposições Imigrantes
Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5 - São Paulo - SP

Transporte Gratuito
Estação do Metrô Jabaquara
Saída das Vans na Rua Nelson Fernandes, 400

Como Chegar




vá a feira e visite nosso stand......esperamos por vcs!!!!!




http://www.reatech.tmp.br/

terça-feira, 6 de abril de 2010

Um pouco de humor !!!!!

DITADOS POPULARES EM LINGUAGEM JURÍDICA


*A fêmea ruminante deslocou-se para terreno sáfaro e alagadiço. ***
*(A vaca foi para o brejo) *

*Desejo veementemente que V.Sa. receba contribuições inusitadas em
vossa cavidade retal. ***
*(Vá tomar no ...) *

*Desejo veementemente que V.Sa. performe fornicação na imagem de sua
própria pessoa.. ***
*(Vá se f...) *

*Creio que V.Sa. apresenta comportamento galhofeiro perante a situação
aqui exposta. ***
*(Você tá de sacanagem) *

*Prosopopéia flácida para acalentar bovinos. ***
*(Conversa mole pra boi dormir )*

*Romper a face. ***
*(Quebrar a cara)*

*Creditar um primata. ***
*(Pagar um mico)*

*Inflar o volume da bolsa escrotal. ***
*(Encher o saco)*

*Impulsionar a extremidade do membro inferior contra a região glútea
de outrem. ***
*(Dar um pé na bunda)*

*Derrubar, com a extremidade do membro inferior, o suporte
sustentáculo de uma das unidades de acampamento. ***
*(Chutar o pau da barraca)*

*Deglutir um batráquio.***
*(Engolir um sapo) *

*Colocar o prolongamento caudal em meio aos membros inferiores.
*(Meter o rabo entre as pernas) *

*Derrubar com intenções mortais. ***
*(Cair matando) *

*Eximir de qualquer tipo de sorte. ***
*(Azarar) *

*Aplicar a contravenção do Senhor João, este deficiente físico
desprovido de um dos membros superiores. ***
*(Dar uma de João sem braço) *

*Sequer considerar a utilização de um longo pedaço de madeira. ***
*(Nem a pau) *

*Sequer considerando a possibilidade da fêmea bovina expirar fortes
contrações laringo-bucais . ***
*(Nem que a vaca tussa) *

*Sequer considerando a utilização de instrumentos metálicos. ***
*(Nem ferrando) *

*Derramar água pelo chão através do tombamento violento e premeditado
de seu recipiente. ***
*(Chutar o balde) *

*O orifício circular corrugado, localizado na parte ínfero-lombar da
região glútea de um individuo em avançado estado etílico, deixa de
estar em consonância com os ditames referentes ao direito individual
de propriedade. ***
*(C... DE BÊBADO NÃO TEM DONO!!!) *

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Uso do Twitter ajuda pacientes pós-derrame

Tecnologia é usada com pacientes que não podem mover boca, mãos ou olhos.



As pesquisas da Universidade de Wisconsin para twitar com o cérebro chegam agora à medicina para ajudar no tratamento de doenças crônicas pós-derrames.


Há exatamente um ano, na Universidade de Wisconsin, Estados Unidos, o pesquisador Adam Wilson conseguiu postar a seguinte mensagem no Twitter: “using EEG to send tweet”. Não seria nada de mais se não fosse por um detalhe: ele postou o testo usando ondas cerebrais e não digitou uma única letra.


Wilson faz parte de uma equipe acadêmica que estuda atrofia cerebral, esclerose múltipla e lesões de espinha. O computador ajuda o dia-a-dia de quem possui limitações de movimento causadas por essas doenças. Os eletrodos detectam sinais elétricos vindo do cérebro e os transformam em ações físicas, como movimentar o cursos de um mouse na tela de um computador.


A equipe da qual Wilson faz parte desenvolveu um sistema de comunicação que detecta as atividades cerebrais e permite que o usuário escreva um texto em um teclado virtual usando apenas essas ondas cerebrais. Cada letra fica piscando e quando aparece a letra que o usuário quer registrar, uma onda cerebral “escolhe” a letra. E assim o sistema continua até formar uma frase.


O plano da equipe é usar o sistema para auxiliar pacientes com doenças que limitam movimentos e comunicação. Os primeiros resultados estão no estudo de uma síndrome pós-derrame que paralisa quase completamente o corpo do paciente, mas deixa o cérebro intacto.


Só nos Estados Unidos, estima-se que existam pelo menos 50 mil pacientes nessas condições. Ele não conseguem mover a boca ou os olhos, mas podem usar as ondas cerebrais para se comunicar.



fonte:MSN Home

WWF

Seja um Voluntário


Procure uma entidade beneficente: